Economia brasileira: o discurso e a práticaDurante muito tempo reclamamos que a presidente Dilma, o ministro da Fazenda e o número um do Banco Central tinham discursos diferentes que traziam enorme confusão aos mercados e empresários.

Isso sem incluir outros ministros de áreas afins ou não, já que todos se davam o direito de dar suas opiniões sobre coisas variadas da economia, especialmente a variável mais sensível, o câmbio.

Finalmente, pelo menos no curto prazo, esses partícipes conseguiram unificar discursos, ao mesmo tempo em que outros executivos se calaram. Essa unificação decorreu da necessidade de atrair investidores externos para o processo de concessão no segmento de logística, em seminário em New York, pós-assembleia geral da ONU.

O discurso foi correto, articulado e bem desenvolvido por cada uma das autoridades do primeiro escalão, mas também trouxe muitas dúvidas no que tange a discurso versus prática.

Como dissemos, o discurso foi positivo, com forte referencia à manutenção de regras estáveis, destacada eficiência na gestão do setor privado, melhores retornos para os projetos e financiamento público.

A prática vinha indicando situação diversa, com muitas mudanças de marcos regulatórios, obrigatoriedade de participação do setor público (Infraero e Petrobras), obrigatoriedade de nacionalização, baixos retornos e mudanças em curto período de tempo; servindo para trazer dúvidas e afastar investidores.

Não bastasse essa dicotomia entre discurso e prática, tivemos mais evidencias com a divulgação, na semana seguinte, do relatório trimestral de inflação do terceiro trimestre, divulgado pelo Banco Central (BC). Em tal relatório e na coletiva posterior do diretor Carlos Hamilton, conseguimos ver outras situações dúbias.

Ao mesmo tempo em que o BC fala em inflação alta e resistente (tema recorrente de posicionamentos pretéritos), inclui que a situação fiscal está deixando de ser expansionista para tender para neutra, isso mesmo com o superávit primário sem atingir a meta em 2012 e 2013. Quase em seguida é colocado que há muito por fazer no combate à inflação.

Ao mesmo tempo falam em preços administrados subindo 4,5% em 2014 e 2015 e falam que os preços livres estão dissociados, mas há espaço para o BC acomodar aumento de combustível. O relatório indica que superávit primário próximo do atual garante impulso de magnitude desprezível e condição neutra para a política fiscal.

Diante de tudo que aconteceu no passado recente e do patamar de inflação, não dá para entender que o BC tenha essa postura leniente, abrindo mão de pleitear que o governo faça o maior superávit possível ou, pelo menos, que chegue perto da meta.

Se colocarmos ainda as recentes declarações do ministro Mantega, estimando que o crescimento médio entre 2013 e 2022 será de 4%, os investimentos no mesmo período com crescimento de 7% e atingindo 24% do PIB em 2022 (estamos em 18% do PIB) e concessões no montante de R$ 1,0 trilhão até 2022, veremos que a realidade não corresponde.

Aliás, convém lembrar que as previsões do ministro são sempre superestimadas, como zerar o déficit nominal, crescimento de 4% para 2012 (fechou em 0,9%) e outras tantas. Há ainda a realidade do déficit primário dos governos regionais e suas estatais pelo segundo mês seguido, na pior performance desde 2001.

Esquece o ministro as palavras de Kalil Gibran Kalil, que dizia que “três coisas não voltam jamais. A água que passa no moinho, a seta disparada e a palavra proferida”. No âmbito local, ficamos mais próximos de Stanislaw Ponte Preta (Sérgio Porto) e seu samba do “afrodescendente doido”.

Bom, considerando todas as injunções domésticas e ainda o ambiente externo frágil, principalmente com as discussões americanas sobre o orçamento, paralisação do governo Obama e aumento do teto da dívida, o mais importante é manter alguma prudência operacional.

Nesse sentido, as recomendações de investimento recaem sobre fundos com menores volatilidades, ainda que se possa aplicar recursos em fundos de ações e multimercados, esse com operações no exterior. Consultem nossa família de fundos Órama. Tenho certeza que lá vão conseguir aplicações de acordo com sua propensão ao risco. Até a próxima.

Foto blah blah blah, Shutterstock.

Alvaro Bandeira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários