dinheirama-post-gustavo-marçoPor Gustavo Chierighini (@GustavoChierigh), fundador da Plataforma Brasil Editorial.

Caro leitor, desde que comecei a apontar em meus escritos (e em outras verbalizações) as ameaças que a euforia nascida em 2008 poderia trazer, parece que pouca coisa mudou. A euforia de então, perpetuada ao longo dos três anos seguintes, transformou-se em uma armadilha.

A sensação de infalibilidade e o ufanismo econômico fragilizaram os ânimos e a disposição para perseguir a velha e necessária agenda de reformas, o que traria crescimento mais robusto, sólido e sustentável, pautado não apenas no consumo, mas também na elevação da taxa de crescimento e nas questões voltadas à eficiência e produtividade.

Confesso que passei a me sentir deslocado em alguns debates econômicos (hoje bem menos). Eu era o pessimista de plantão, o chato da última hora, a voz desagradável que colocava defeito em uma festa tão alegre.

O tempo passou e a tal “alegria”, hoje acompanhada de alguns (muitos) sorrisos amarelados, pode ser observada no noticiário, nas análises dos especialistas, no ânimo dos investidores e do empresariado em geral.

É verdade que existem exageros e também que os argumentos que incluem o Brasil no grupo dos “frágeis” podem carecer de consistência – sim, de fato temos munição para enfrentar trovoadas e turbulências com relativa tranquilidade, mas também é verdade que nada disso precisava acontecer.

O problema do pensamento único e da euforia é que, invariavelmente, trazem no seu rastro a diluição do senso crítico. E é o seu vigor, ancorado na mais livre e incensurável expressão, e a sua prática cotidiana, lidando com o permanente contraditório, constrói as barragens de segurança da dinâmica econômica e social.

É neste “caldo” que se cozinha o progresso, a prosperidade e também é nele que se freia ou se estimula a participação do estado ou dos agentes privados. Não é de outra forma que o dever de casa é feito, livre de retóricas e dos jogos de poder.

Não se trata de mau agouro, de torcida contra isso ou aquilo e nem de questões patrióticas, mas da percepção crítica dotada de uma boa e saudável dose de constante insatisfação, sempre presentes nas histórias das grandes nações.

Em tempo, não se trata aqui de defender modelos econômicos específicos, orientações ideológicas e muito menos partidárias (é importante colocar isso em pleno ano eleitoral, quando tudo parede municiar a belicosidade dos radicais).

Em quem eu voto ou deixaria de votar é problema exclusivamente meu, mas se estamos perdendo a oportunidade de construir um futuro sólido, num voo firme e longínquo, e no lugar disso dar mais um pulinho da galinha, ai sim, o problema é de todos nós.

Existem mudanças em curso no horizonte, mas talvez elas não estivessem presentes sem algumas vaias e desaprovações. Se isso se estabelecer, colheremos os frutos no futuro. No momento, colhemos a safra anterior.

Trocando em miúdos, enquanto os aplausos alegram, o incômodo constrói. O que será de nós depois deste ano de Mundial de futebol e Eleições? Alguém arrisca um prognóstico? Até o próximo.

Foto Shutterstock: Brazilian Border made with coins .

Plataforma Brasil
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários