Economia brasileira: vertente para explorarQuem acompanha minimamente a conjuntura econômica local identifica problemas de diversas naturezas.

Nossas contas públicas são maquiadas com frequência, a dívida bruta não para de crescer, há déficit em conta corrente não coberto por ingresso de investimento externo direto (IED) e nossa balança comercial está com déficit de US$ 4,6 bilhões no sétimo mês do ano, podendo seguir assim pelo resto do ano.

Nossas empresas perderam competitividade internacional, os investimentos privados se contraem, a carga tributária é pesada e existem graves gargalos de logística em todo o país.

O governo ainda produz algum investimento via instituições, mas também acaba escolhendo que setores e empresas serão privilegiadas, elegendo assim vencedores e perdedores. Há ainda constantes mudanças de política e marcos regulatórios, o que só amplia desconfianças.

Outros resultados dessa política casuística e administração por susto também são colhidos. A inflação não cede pelos gastos expansionistas de governo, o PIB não cresce como deveria e o Banco Central não é livre para prover políticas monetárias adequadas, já que aumentos de juros agravariam ainda mais o crescimento econômico.

Diante de todos esses fatores seria quase inevitável que os desequilíbrios aflorassem com maior intensidade contaminando todos os mercados.

A baixa credibilidade nas políticas de governo produziram pressões sobre o câmbio e sobre a estrutura da taxa de juros, obrigando o Banco Central e Tesouro Nacional a realizarem operações coordenadas, interferindo com vigor no câmbio e juros, para retirar a volatilidade e conter escaladas altistas.

Pois bem, é nesse ambiente que temos que realizar nossos investimentos. Ambiente quase hostil para quem não domina as idiossincrasias econômicas ou dos mercados de renda fixa e variável. Seria preciso enorme dedicação, quase impossível para quem tem outros afazeres.

Não é por outra razão que insistentemente sugerimos a assessoria de agentes de investimentos de confiança dos investidores e a entrega de boa parcela dos recursos de investimento para instituições gestoras de grande conhecimento dos mercados e agilidade para investir e avaliar corretamente as aplicações a cada momento e/ou cada mudança provocada no mercado local ou internacional.

É nesse contexto aparentemente adverso que os gestores de recursos mais eficientes se sobressaem. Há sempre espaço nos mercados para boas estratégias e, com o cenário local prejudicado e economias em expansão no exterior, fundos que aplicam recursos em commodities, moedas e ações de outros países; ganham força.

Em nossa família de fundos Órama disponibilizada para aplicações, temos alguns com essas características como o Órama Gávea Macro, do conhecido Arminio Fraga, ex-presidente do Banco Central, e o Órama IP Participações, que estão obtendo bons resultados nesse ano complicado.

Seria oportuno comparar a performance dos fundos e reavaliar suas estratégias de aplicação, sempre observando a propensão ao risco e tendo presente que retornos devem ser buscados com horizontes de longo prazo. Obrigado e até a próxima.

Foto financial graphs, Shutterstock.

Alvaro Bandeira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários