Quase tudo nos remete à corrida presidencial em curso. À primeira vista, o governo da presidente Dilma se esmera para manter as principais variáveis macroeconômicas sob controle, pelo menos até o limiar das eleições.

Se conseguir fazer isso (e efetivamente tem alguns mecanismos para tal), pode ser reeleita em primeiro turno. Afinal, a grande massa votante não tem rápida percepção da situação do país, sentida apenas quando dói no bolso, e isso demora um pouco.

Eleita em primeiro turno ou em segundo, terá que proceder mudanças urgentes na política econômica se quiser manter rumo positivo para a economia.

Terá, por exemplo, que liberar preços administrados, conter gastos de custeio desmobilizando a máquina do estado e readquirir a confiança dos empresários locais e estrangeiros para que os investimentos retornem ao país.

Terá ainda que ampliar estímulos para a infraestrutura e aumento da produtividade e elevar a participação dos investimentos em relação ao PIB (hoje em 18%) para acelerar o crescimento dos próximos anos. Quanto mais tempo demorar para fazer isso, maior a dose do remédio necessário para colocar a economia nos eixos.

Ganhando a oposição, esta terá que rapidamente fazer os mesmos ajustes na economia, desmobilizar a mega máquina administrativa petista incrustada em todas as hostes, promover elevado corte de gastos e começar a ocupação dos espaços em estrutura mais enxuta, começando pela redução da quantidade de ministérios.

O não compromisso com posturas do governo passado facilitaria os ajustes e teria como maior virtude atrair com maior facilidade o escaldado empresariado local e internacional.

Ganhe quem ganhe as próximas eleições, os ajustes teriam que ocorrer de forma forte, com duros efeitos sobre a inflação, emprego (num primeiro estágio) e renda das famílias.

Alguns programas sociais teriam que ser interrompidos ou temporariamente suspensos para avaliação e a sociedade teria que ser corretamente informada sobre tudo isso, para se conseguir maior aderência às diretrizes impopulares.

Por tudo isso, queremos dizer que o restante de 2014 e pelo menos o início de 2015 conterão meses muitos difíceis e certamente de volatilidade para os mercados de risco.

Daí redunda a necessidade de investimentos conscientes ao longo dos próximos meses, mas intuímos que há espaço para aplicações mais agressivas, até por que os preços ainda seguem achatados e com ineficiência na sua formação.

Lembro que as reações de mercado são sempre muito rápidas e o “efeito de manada” sempre está presente, motivando investidores. Sugiro acessar nosso site Orama.com.br para avaliar as alternativas de investimento de acordo com o seu perfil de risco e conhecer diferentes fundos de investimento disponíveis para aplicação.

Convido-o a acessar também nosso blog, onde constam mais textos meus que ajudarão na sua educação financeira e pensamento sobre a gestão de recursos. Bons investimentos!

Foto “Concept of risk”, Shutterstock.

Alvaro Bandeira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários