A partir de hoje,  20 de fevereiro de 2019, os mercados devem começar a observar ponto de inflexão mais consistente de tendência. Do lado interno, teremos a entrega do projeto de reforma da Previdência, que o presidente Jair Bolsonaro faz questão de levar pessoalmente para tramitar no Congresso Nacional durante os próximos meses.

Do lado externo, já no dia seguinte, teremos reunião do alto escalão da área comercial americana e chinesa, podendo surgir alguma decisão sobre tarifação – dependendo ainda de encontro entre os líderes Donald Trump e Xi Jinping.

A novela do Brexit

“Correndo por fora” ainda teríamos todas as encrencas relacionadas ao Brexit, cujo prazo final está bastante próximo, com saída prevista para 29 de março de 2019. Durante essa semana (de 18 a 22 de fevereiro), a primeira ministra britânica, Theresa May, tem encontro marcado com Jean Claude Juncker da União Europeia. O encontro objetiva a tentativa de mudar alguns termos do acordo original, mas com baixa receptividade da comunidade.

Juncker tem dito que o acordo não será rediscutido, mas existe alguma possibilidade de mudanças no tratamento da fronteira entre as duas Irlandas. Cabe lembrar que a Irlanda do Norte faz parte do Reino Unido, enquanto a Irlanda integra a União Europeia.

Pois bem, resolvido o imbróglio entre os EUA e a China sobre tarifação (temos fé que chegará a bom termo), ainda restariam as acusações americanas sobre roubo de propriedade intelectual e espionagem em empresas. Por trás disso, estaria ainda a preocupação americana de ir perdendo a guerra tecnológica, já que a China vem investindo e ganhando muito espaço nessa área de desenvolvimento. Essa disputa é um pouco mais complicada.

De qualquer forma, superada essa fase, o mundo poderá respirar mais aliviado, e é de se supor mais flexibilidade para negociar com outros países, sobretudo as disputas americanas no setor automotivo com a Europa, especialmente com a Alemanha. Portanto, os riscos de endurecimento comercial entre países estariam minorados, inclusive as restrições em relação ao aço brasileiro imposto pela comunidade europeia.

Reforma da Previdência: a hora da verdade

No cenário local, vão começar as discussões sobre a reforma da Previdência. É fundamental que o governo consiga melhor articulação política para formatar sua base de apoio parlamentar, ao mesmo tempo em que deve explicar claramente à sociedade a necessidade de se ter uma reforma. Claro que grupos organizados farão pressão, já que ninguém gosta de cortar a própria carne. Mas se a sociedade estiver mobilizada, é de se supor que o parlamento reverberará essa postura majoritariamente.

Quanto mais profunda e equânime for a reforma reduzindo privilégios, maior será a credibilidade do governo de Bolsonaro e Paulo Guedes. Correlacionado, despertaremos a curiosidade do mundo dos investimentos e, é bom dizer, o Brasil ficou barato aos olhos do mundo. Isso dará margem para o governo colocar no ar ambicioso programa de privatizações, investimentos diretos acontecerão e o mercado de capitais adquirirá dinâmica e interesse para investidores estrangeiros e locais.

Tudo num ambiente que volta a ser propício, já que bancos centrais de países desenvolvidos estão dando “passo atrás” em suas decisões de normalizarem políticas monetárias. Como consequência, a liquidez internacional permanecerá elevada e as taxas de juros seguirão baixas ainda por algum tempo, tempo que esperamos suficiente para que economias problemáticas possam se readequar e reformas estruturantes sejam realizadas.

Expectativas para a Bovespa em 2019

É nessa visão otimista, de que tudo que já foi feito não será jogado pela janela, que inserimos nossas expectativas para a Bovespa em 2019. Certamente por tudo que relatamos, a volatilidade dos mercados deve seguir elevada. Mas, em nossa visão, a tendência primária seguirá sendo de alta. Nesse contexto, é que recomendamos ampliar posições de risco, para tentar capturar retornos maiores no longo prazo, através de correta escolha das opções de investimento.

A equipe especializada do banco digital modalmais tem condição de ajudar os investidores nessa seleção, seja por atendimento direto, ou pelos conteúdos diários postados em nosso blog e YouTube.

Não sei por que lembrei de uma frase de Eça de Queiroz que dizia que: “os políticos e as fraldas devem ser trocados frequentemente pela mesma razão”.

Alvaro Bandeira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários