Economia, mercado e política: retrospectiva 2012 e votos para 2013Por Gustavo Chierighini (@GustavoChierigh), fundador da Plataforma Brasil Editorial.

Caros leitores, iniciarei o texto com uma breve retrospectiva do ano de 2012, que não foi um ano fácil. Mais do que isso, foi um ano difícil de entender, repleto, como sempre, de perdas e êxitos.

A cidadania em 2012
No campo institucional, o julgamento do Mensalão se destaca como uma clave em favor da institucionalidade, com atenção especial para o relator do caso e agora presidente do Supremo, o ministro Joaquim Barbosa.

Não merece menos destaque a defesa do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para que o dito Mensalão mineiro seja julgado, com o mesmo rigor, num claro posicionamento em prol da naturalidade com que devemos encarar a apuração de suspeitas envolvendo políticos e importantes lideranças e seus inevitáveis desdobramentos jurídicos.

A economia em 2012
No front econômico, vivenciamos o fim do ufanismo, que, ao que parece, caminha mesmo para se tornar algo fora de moda e de contexto. Penso que isso não ocorre simplesmente por não termos o que comemorar, mas talvez por nos conscientizarmos de que festas e trombetas antes da hora geralmente trazem o efeito inverso. A velha síndrome do “jogo ganho” nunca dá certo.

O melhor é prosseguir trabalhando e construindo, com disciplina, com realismo, descartando o pessimismo e o otimismo exagerado. Ai sim geralmente os resultados surpreendem.

E não foi fácil terminar o ano com o crescimento pífio que tivemos, ainda mais em um modelo de capitalismo tão pouco livre. Não, engana-se quem pense que defendo o liberalismo econômico radical, mas também não me empolgo com a carga de intervenção estatal que pouco a pouco se perpetua como modelo.

Essa ingerência espanta investidores, deprecia a percepção de uma boa gestão de riscos e, por fim, dilui o chamado “espírito animal” do empresariado, que precisa viver sem tantas amarras, em um ambiente jurídico mais seguro e ágil, com regras (é claro!), porém mais claras e estáveis.

Os escândalos de 2012
De resto, o de sempre: denúncias e mais denúncias, escândalos e novos escândalos. Mas o fato é que avançamos sim. Vagarosamente, gradualmente, mas avançamos, protegidos de efeitos mais perversos e desastrosos, justamente por sermos uma sociedade tão plural – tão difícil de interpretar e analisar e economicamente tão diversa e ampla.

Como escutei recentemente de um empresário espanhol que veio para ficar (sic) na esteira da crise que assola a Europa, “não existe país no mundo com melhor perspectiva de progresso econômico e social do que o Brasil”. É bem possível que ele esteja certo, e é essa torcida.

Mas, não podemos nos acomodar e nem tão pouco abdicarmos do cultivo de um certo ceticismo crítico. E eu não tenho nenhuma dúvida de que é justamente isso que garante a perpetuidade das grandes nações. E os meus votos vão nesta direção.

O que esperar de 2013?
Desejo que lutemos com afinco pelo que acreditamos como país, mas sem perder o senso crítico. Quero um Brasil plural, sem grupos de exceção, confiante no seu futuro, mas certo de que o futuro se constrói no presente, e muitas vezes com suor e lágrimas.

Desejo uma democracia ainda mais livre, menos estatal, mas sem radicalismos liberais econômicos. Rogo por uma sociedade mais atuante, exigente, ciosa de seus direitos e vigorosamente credora do retorno que se deve esperar pelos tributos pagos.

Por fim, quero o império do contraditório, onde todas as forças políticas passem a conviver com o antagonismo de uma oposição competente, nos permitindo rever opções e corrigir caminhos.

Por fim, rogo por um ano de progresso, onde mais uma vez sejamos exitosos em construir as bases necessárias para uma trajetória estável e sólida de evolução, servindo para todos os outros anos que virão. Mesmo que seja assim, de forma gradual.

Que o ano de 2013 seja especial para todos nós! Até o próximo.

Foto de freedigitalphotos.net.

Plataforma Brasil
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários