Mercados e a conjuntura global de riscoOs mercados de risco continuam absolutamente indefinidos no curto prazo, absorvendo sinais contraditórios de países e bancos centrais. Recentemente, o FED (BC americano) voltou a frustrar os agentes, já que era esperado reforço na distensão monetária, ampliando programa de recompra de títulos e novos ajustes via QE3 (quantitative easy).

Isso depois de o Bank of England (BOE) ter ampliado seu programa de recompra de títulos em 50 bilhões de libras, o Banco Central Europeu (BCE) ter reduzido a taxa básica para 0,75% (de 1,0% e com taxa zero para depósitos) e o People’s Bank of China (PBOC) ter reduzido taxas básicas duas vezes no espaço de 30 dias e mexido no compulsório bancário.

Mesmo assim, os mercados têm trabalhado com forte aversão ao risco, fartamente demonstrada por taxas negativas para aplicações em títulos curtos da Alemanha e França e taxa recorde de baixa para os títulos americanos. Como pano de fundo disso, a desaceleração econômica global, que começa a afetar indiscriminadamente países, inclusive emergentes, como China, Índia e Brasil. Raras exceções são os EUA, Japão (pós-tsunami e terremoto) e Alemanha: algo resilientes ao processo, mas mostrando desaceleração no curto prazo.

O que esperar?
Essa mesma desaceleração já foi capturada nas projeções recentes do FMI. Para o ano de 2012 eles estimam:

  • Que a economia global cresça 3,5% (anterior em 3,6%), com os EUA crescendo 2,0% e a China com queda para 8,0%;
  • Para o Brasil, as estimativas do FMI caíram de 3,0% para 2,5%, mas não esperam nenhum pouso forçado para as economias de países emergentes;
  • Do outro lado, vários países da zona do euro trabalham com recessão em 2012 e raros os que devem ficar estagnados, como a França.

Países como a China saíram na frente de adequar sua economia, não só reduzindo juros básico e compulsório, mas agindo sobre programas de recompra de títulos destinado a gerar maior liquidez no sistema bancário, como agindo sobre investimentos externos reduzindo carga tributária e impostos sobre remessas de dividendos.

No Brasil temos também adequado nossa política econômica provendo redução de impostos de setores organizados como automotivo e linha branca, além de ampliar o crédito via BNDES (inclusive com redução da TJLP) e bancos estatais. Porém, os efeitos até aqui foram diminutos e a produção industrial e vendas no varejo encolhem nos dados mais recentes divulgados.

Para completar esse quadro de nervosismo, estamos entrando na safra de balanços referentes ao segundo trimestre, que amplia a volatilidade das ações afetando pontualmente, ou age sobre setores, alterando o preço relativo dos ativos e provocando ajustes de carteiras. Esse efeito vai atingir também as ações brasileiras e fluxos de recursos estimados para o ano, além de alterar também o volume de emissões para capitalização de empresas.

No caso brasileiro, há que se fazer bem mais.
Do lado do governo será preciso aumentar a eficiência e agilidade nos investimentos. Notícias dão conta que os diferentes ministérios sequer têm conseguido cumprir o cronograma dos recursos confiados para as pastas. Do lado econômico, é essencial prover mudanças que ajam sobre a redução do custo Brasil fora das empresas, com investimentos em vias de escoamento da produção, carga fiscal e reformas trabalhistas.

Além disso, atuar menos em variáveis econômicas sensíveis como taxa de câmbio e marcos regulatórios setoriais. É preciso estimular o segmento privado no sentido de realizarem investimentos – e isso só é possível com regras mais estáveis e políticas mais coerentes no médio e longo prazo. Estamos perdendo tempo precioso para fazer reformas estruturais que estabeleçam regras duradouras.

Adequar ainda mais o superávit primário, reduzir o déficit nominal, reduzir expectativas inflacionárias futuras (mantivemos a meta de inflação para 2014 em 4,5%) e ainda continuar a atrair capitais externos de boa origem, reduzindo barreiras. Nesse aspecto, seria oportuno mudar tributações do mercado de capitais já que não representaria grande perda de arrecadação e traria conotações positivas para investimentos e alavancagem.

Somente dessa forma estaremos criando os marcos de crescimento sustentável no longo prazo, evitando os “voos de galinha” tão frequentes em nossa economia. Temos que entender que o ano de 2012 já está perdido em termos de crescimento econômico e preparar o futuro.

Repetindo Stephen Kanitz, eu diria que “ordem não gera progresso e economia não gera crescimento de forma espontânea. Sempre há necessidade de um agente catalisador”.

Falo mais sobre isso também no vídeo abaixo:

Não deixe de visitar nosso site – www.orama.com.br – para mais informações de mercado e produtos financeiros adequados ao seu objetivo. Obrigado e até a próxima.

Foto de sxc.hu.

Alvaro Bandeira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários