Por Gustavo Chierighini, publisher da Plataforma Brasil Editorial.

Para quem não conhece o sentido da síndrome do bunker sitiado, basta um exercício simples: tente se inserir em um contexto onde, após vivenciar o apogeu e a supremacia (ao menos pretensamente), você tenha que encarar a queda, a casca de banana da qual não consegue escapar ou a aniquilação humilhante.

E então, cercado de uma assessoria que teme as suas reações – ou porque você os intimida ou porque são intimidados por natureza e escolhidos a dedo justamente por causa disso – e, portanto, recebendo aconselhamentos incompatíveis com a realidade passa a crer em saídas, soluções e êxitos potenciais que jamais se concretizarão.

Em resumo, uma dinâmica retroalimentada de tiros no pé, mas que quando dotada de dimensão política e econômica, caso seja você um tomador de decisões de alto impacto, tem potencial para fazer doer o pé de quase todos ao seu redor, dos subalternos e súditos aos aliados. Os opositores, é claro, riem à toa.

Historiadores investigativos afirmam que Hitler, sitiado em seu esconderijo secreto (bunker) entoava frases de efeito e auto motivadoras para “ainda vencer a guerra”, enquanto os soviéticos pintavam e bordavam já nos arredores de Berlim, esmagando a cidade e provocando deserções em massa e a paralisia da população civil.

Dizem que lampião, o famoso “rei do cangaço”, cercado pelas tropas federais e quase aniquilado pela fome, pela sede e pelo esgotamento total, se comparava a Antônio Conselheiro e ordenava, otimista, diretivas para a defesa e o contra-ataque para finalmente atingir a vitória, que jamais veio.

É dos efeitos desta “síndrome” que alguns seres humanos e suas equipes fiéis provam ao se depararem com a parede sólida e áspera da realidade que se impõe. Neste contexto, a recente dinâmica governamental para acertar o passo econômico-político não é muito diferente.

Muito provavelmente, nossa mandatária passe quilômetros longe da falta de senso crítico dos protagonistas que citei, mas as iniciativas recentes de recriar a CPMF, elevando a carga tributária de uma sociedade massacrada por tributos e magnânima ineficiência estatal (em todas as esferas) é uma típica medida de “bunker sitiado”.

Isso sem mencionar os conflitos em setores até então pacificados, como a recente polêmica envolvendo o Ministério da Defesa e a popularidade de um dígito, a debandada generalizada na base de apoio parlamentar e a ausência de cortes robustos e reais nas despesas da máquina pública.

Tudo isso transforma o momento em uma novela, em que estamos assistindo todos os dias um caso análogo aos mencionados neste texto, onde o palácio sitiado se transforma em um bunker impermeável ao bom senso. Quem paga essa conta, você sabe muito bem, é sempre o povo e seu futuro. Uma pena! Até o próximo.

Foto: Frazao Production / Shutterstock.com

Plataforma Brasil
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários