Por Carlos Jenezi, especialista em desenvolvimento de produtos e articulista da Plataforma Brasil Editorial.

No primeiro boom da internet, perto dos anos 2000, lembro claramente da corrida pela criação de mais e mais páginas de internet, com os mais diversos fins. Foi uma época de loucura digital, em que ávidos investidores compravam sites e “soluções” inexpressivas por alguns milhões de reais sem saber muito bem o que fazer com aquilo, muito menos como recuperar o investimento. Muito dinheiro foi perdido e a bolha logo estourou.

Foi também um período em que as empresas da economia real aderiram de vez à ideia de que deveriam ter suas páginas na web, ainda no formato de um grande livro corporativo, onde contavam suas histórias e mostravam seus produtos. Esse tipo de perfil dura até hoje para a maioria delas.

O passo seguinte foi o início da exploração do comércio virtual, ou e-commerce, onde empresas que já vendiam seus produtos e serviços em lojas físicas buscavam vender também via web, diretamente para seus clientes.

Seria o mundo ideal, eliminando custos de uma operação física, diminuindo intermediários e, claro, lucrando mais. Deu tudo errado! Tirando algumas exceções, a maioria das iniciativas fracassou e o momento seguinte foi de uma verdadeira “ressaca” virtual.

Os motivos são discutidos até hoje, mas um mercado ainda não maduro para tanta modernidade é o que melhor resume e explica o fato.

De lá pra cá, e muitos fracassos e aprendizados depois, muita coisa mudou. A economia digital é fato e importantíssima. Um novo boom surgiu, dos Apps (aplicativos), e está ai mais forte do que nunca – os investidores ainda pagam milhões de dólares por pequenas empresas virtuais, mas a percepção de retorno sobre o investimento é completamente diferente.

Desde investidores-anjo (aqueles primeiros a investir em soluções promissores) até gigantes da internet, todos pensam e agem baseados no conceito simples e imutável do lucro, e é ai que está a grande virada.

No momento em que o mercado virtual deixou se der construído por idealistas amadores (que acreditavam serem suficientes apenas uma boa ideia, meia dúzia de slides e alguns poucos acessos por mês) e passou a ser gerido pela nova geração de empreendedores virtuais (mais preparada e focada no lucro), a coisa se desenrolou.

Claro que ainda encontramos os mais diversos negócios de utilidade duvidosa circulando por ai na web, e vez ou outra até um investidor disposto a “torrar” seu dinheiro em ideias mirabolantes de pouca relevância, mas hoje são exceções.

Leitura sugerida: Por que o Investimento Anjo é um bom negócio?

Conclusão

O que rege o mercado da internet na atualidade são os mesmos princípios básicos que regem a economia dita real: foco no mercado consumidor e suas tendências, rentabilidade, custos, lucro, receita, etc. A economia digital finalmente se encontrou com a real, através de seus princípios mais primitivos.  Isso, sim, é modernidade!

Foto “Digital economy”, Shutterstock.

Plataforma Brasil
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários