Na próxima terça-feira, dia 06 de junho, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) começará o julgamento da chapa Dilma-Temer, que elegeu em 2014 a ex-presidente Dilma Rousseff para mais um mandato como Presidente da República.

Dilma, afastada da presidência em 2016, e o atual presidente Michel Temer são acusados de delitos no financiamento da campanha.

De acordo com as demonstrações até o momento, é esperado que o relator, o ministro Herman Benjamin, vote pela cassação da chapa. Há uma avalanche de evidências que apontam este caminho, sustentada em documentos e dezenas de testemunhos.

Entre as acusações, pesam contra a chapa Dilma-Temer indícios de:

  • R$ 50 milhões recebidos em troca da edição de uma MP;
  • R$ 35 milhões recebidos por caixa dois para a campanha;
  • R$ 25 milhões negociados por caixa dois para o apoio de 4 partidos;
  • R$ 17 milhões recebidos como doações identificadas irregularmente;
  • R$ 10 milhões pagos por caixa dois para esposa do marqueteiro;
  • R$ 53 milhões em despesas sem comprovação.

O Brasil precisa mudar seu rumo

O impeachment da presidente Dilma Rousseff dividiu o país, como alguns gostam de dizer, mas a crise econômica e as denúncias de corrupção que ainda hoje pesam contra seu partido levaram a maioria das pessoas a defenderem seu afastamento. Isso é inegável.

Hoje, o Brasil atravessa um período onde os números da economia parecem melhores, mas ao mesmo tempo a percepção das pessoas é de que a corrupção está cada dia mais presente na política e nas empresas.

A população passou a ter a percepção de que a presidência da República e os cargos políticos viraram um instrumento para proteção de todo um grupo de poder.

A Reforma mais importante para o Brasil

Boa parte dos políticos que ainda defendem a permanência do presidente Temer batem na tecla da continuidade das reformas, entre elas a da Previdência e a Trabalhista.

Não restam dúvidas de que o país precisa enfrentar as transformações que fazem parte de seu crescimento e também do envelhecimento da sua população.

O discurso da austeridade e do trabalho realizado pela equipe econômica, no entanto, não são suficientes para defender a continuidade do atual governo.

Existem vários pontos que precisam ser trabalhados no Brasil que nunca foram pautadas de fato pelo atual governo, e a maioria deles está longe das discussões do atual momento.

Precisamos diminuir o tamanho do Estado promovendo maior eficiência dos órgãos públicos de forma geral. Não é mais tolerável o contribuinte ter que trabalhar por 5 meses do ano para manter o governo.

Não podemos mais aceitar o fato de o país conviver com os desvios de conduta e de dinheiro por parte dos políticos e acreditar que não haverá desdobramentos nem punições severas e reais aos culpados.

Hora de seguirmos adiante

A principal reforma que o Brasil precisa nesse momento é moral e ética. Temos que ser capazes de olhar para frente com orgulho, certos de que nossos comandantes estarão sempre sujeitos às mesmas leis e punições que nós, cidadãos comuns.

Nós do Dinheirama percebemos, assim como qualquer cidadão mais ou menos bem informado, que o atual governo se mostrou incapaz de guiar o Brasil pelo caminho da ética, elemento fundamental para esse triste, mas importante momento.

O julgamento da chapa Dilma-Temer pelo TSE é uma oportunidade para seguirmos com a mudança sempre ao lado da justiça, acreditando que ela existe e será feita de forma coerente e com base em evidências e provas (do contrário, nada mais faz sentido).

O Dinheirama quer ver o Brasil passado a limpo. Chega de tanta bagunça e irresponsabilidade sem consequências.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários