Educação é responsabilidade de todos nósEu sempre acreditei que o papel da escola é ensinar, e não fazer a gente aprender. Parece estranho? Deixe-me tentar explicar: a escola transmite conceitos importantes, mas se ela não faz isso de forma instigante, ninguém se sentirá compelido a praticar fora daquele ambiente. Ou seja, ninguém vai tentar – na vida, no dia a dia e na prática – o que se viu na teoria.

Porque, parece óbvio observar, o aprendizado só surge quando praticamos o que observamos. Ou seja, aprender é também sinônimo de experimentar. Experimentar muito! Quando estudamos “para passar”, estamos preocupados em satisfazer as expectativas dos outros (a nota) e não em aprender (ou simplesmente praticaríamos por mero desejo e prazer).

A falência da educação atual não está apenas em manter-se fiel a um modelo antiquado, mas simplesmente em achar que ela é responsável por fazer as pessoas aprenderem. Seu papel é outro e entender isso tornaria as coisas muito mais simples.

É só pegar os exemplos de professores fantásticos para perceber que seu estilo consiste em provocar os alunos e despertar neles o interesse pelo que estão falando em sala de aula. Só isso! Perceba que não importa o local (é a escola, mas poderia ser um restaurante, a empresa etc.), mas o foco da ação: compartilhar e tornar o tema prático, agradável e com sentido.

O “resto” (que para o modelo atual é tudo) passa a ser responsabilidade dos alunos; porque o aprendizado virá como consequência destes quererem praticar o que foi compartilhado (e não “ensinado”) em sala de aula.

As críticas podem se estender aos conceitos de nota, ao formato de avaliação e demais aberrações. O “melhor” no atual modelo de educação (aquele que tirou “nota boa”) não quer dizer muita coisa, apenas que ele se enquadra no que a sociedade espera de um “bom aluno”.

Habilidades essenciais para a vida (resiliência, relacionamento interpessoal, interpretação, persistência, humildade etc.) não se medem em uma escala de 0 a 100 e nem possuem “certo e errado”, “melhor e pior”. Repare que aqui estou falando de práticas de vida e não de teorias sobre como as coisas deveriam ser (o que se faz muito na escola).

Digo isso porque creio que o aprendizado verdadeiro é fruto da interseção entre valores, princípios e exemplos (e não apenas do conhecimento formal e ladeado por apostilas, livros e material didático), o que nos remete à qualidade dos professores e dos exemplos dados pelos pais e familiares.

Ora, que tipo de atitude professores mal preparados e desvalorizados transmitirão enquanto seres humanos? O que dizer de pais ignorantes e que abdicam da responsabilidade de educar e formar um cidadão, alegando que isso é papel da escola? Não é possível aprender a ser gente (algo impossível de “dar nota”) enquanto quem nos “educa” acredita que isso é uma baboseira (pais, professores e sociedade).

Confesso que fico muito mais preocupado com a turma que passa “na média” que com quem tira “notas baixas” ou “notas altas”. Sim, porque é bom lembrar que, em geral, “a média é invisível” (frase de Seth Godin), então ser um outlier pelo menos garante atenção. O que vamos fazer com ela é que é o ponto-chave.

O tema e minha opinião são polêmicos, eu sei. Mas é muito legal saber que posso compartilhar minha visão de forma sincera, com o objetivo de somar em um debate tão necessário e urgente. Nossa educação precisa de mais carinho, bons exemplos e valorização do ser humano – e isso não é só responsabilidade de professores e educadores. É uma tarefa social muito mais ampla.

Ufa! O que você acha disso tudo? Use o espaço de comentários abaixo e deixe sua opinião. Abraços e até a próxima.

Foto “Graduates”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários