Cuidado! Você não deveria estar com os braços cruzados nesse exato momento. E, nem deixar o planejamento do seu futuro para depois.

Afinal, deixar de se preocupar hoje, pode sair muito caro para você amanhã.

Por exemplo, agora, você pode estar deixando de ganhar, ou pior, perdendo muito dinheiro por não aplicar uma simples coisa em sua vida.

Durante a escola você pode ter aprendido de tudo para entrar no mercado de trabalho, mas, provavelmente, não aprendeu a matéria mais importante.

A Educação Financeira.

Se você deseja aprender mais sobre Educação Financeira, deixar de perder dinheiro e começar a fazer fortuna para o futuro. Esse artigo é para você.

O retrato do investidor brasileiro

Segundo uma pesquisa feita pela ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), o brasileiro não se prepara para a velhice.

Quase a metade da população (47%) acredita que será sustentada pelo governo e, 28% já decidiram que o sustento continuará vindo do trabalho, ou seja, nunca irão parar de trabalhar.

Atualmente, a renda de 89% das pessoas aposentadas vem exclusivamente da previdência pública. Enquanto, apenas 6% são sustentadas pela previdência privada. Um número extremamente alarmante, visto que o nosso sistema público é insustentável e falho.

Por outro lado, há uma parcela da população que se preocupa com o futuro e investe parte de sua renda.

Porém, dos 42% dos brasileiros que investem, 89% direcionam  dinheiro para a caderneta de poupança. Um número muito alarmante para um investimento muito ruim.

O motivo para tal preferência se dá pela segurança do seu dinheiro.

Outros Investimentos

“A motivação pela segurança é unanimidade: aparece em primeiro lugar em todas as faixas etárias, classes sociais e níveis de escolaridade”.

Porém, será que a caderneta de poupança é a aplicação mais segura?

Você já ouviu falar sobre o Tesouro Direto ou FGC (Fundo Garantidor de Crédito)?

O Tesouro Direto é um programa de venda de títulos públicos para pessoas físicas. A emissão de títulos é uma das formas de captação de recursos para financiar atividades do governo federal.

Por exemplo, educação, saúde e infraestrutura. Devido a sua emissão ser realizada pelo governo, que é a instituição financeira mais sólida em nosso país, é tido como o investimento mais seguro. Afinal, se o governo quebrar, todos as instituições financeiras já estariam quebradas antes.

Já o FGC não é nem um banco e nem um órgão governamental. O Fundo Garantidor de Crédito é uma entidade privada, sem fins lucrativos, que cobre até R$ 250 mil em caso de falência da instituição.

Não somente os que tinham depósitos, os clientes que também possuíam saldo em conta corrente e aplicações em caderneta de poupança, letras de câmbio, letras imobiliárias, letras hipotecárias, CDBs (Crédito de Depósito Bancário), LCIs (Letras de Crédito Imobiliário), LCAs (Letras de Crédito do Agronegócio) e operações compromissadas também serão segurados. Ou seja, a poupança não é somente a aplicação “mais segura” e nem somente a “única” com segurança.

Então, onde os investidores brasileiros procuram por informações na hora de investir?

Ainda segundo a pesquisa, o gerente do banco continua tendo papel fundamental para o investidor no momento de escolher onde colocar seu dinheiro. Dos brasileiros que investem, 41% buscam informações via o gerente do banco.

E, como segunda fonte de procura, os amigos e parentes representando 33%.

Embora, a poupança seja a opção número 1 entre a população brasileira, somente 25% dos entrevistados acertaram sobre a rentabilidade da poupança em 2017. Ou seja, investem em uma aplicação ruim, sem nem saberem que é ruim. Trata-se mais da ampla divulgação social que essa aplicação possui do que o próprio conhecimento técnico.

Educação Financeira

Atualmente, a educação financeira ainda tem muito a agregar na vida dos brasileiros. Visto que, a busca por retorno financeiro aparece em segundo lugar de prioridade.

Ainda segundo a pesquisa, existe uma percepção de que as instituições financeiras são um lugar seguro para guardar o dinheiro.

“O banco é como se fosse um porquinho, onde deixo seguro o meu dinheiro guardado”.

Porém, o que a maioria não sabe, é que existem aplicações tão seguras quanto a poupança e outras aplicações bancárias, que possuem rentabilidade muito acima.

Por exemplo, o Tesouro Direto em que é possível começar com valores em torno de 30 reais e, que podem render a inflação mais 5%. Ou seja, garantir o poder de compra do investidor frente a inflação e ainda entregar uma rentabilidade acima. Entre outras palavras, o chamado juros real, o juro total descontado a inflação. Para entender melhor sobre juros real, clique no link a seguir.

Não somente o tesouro direto pode ser uma escolha, os CDBs (Certificados de Depósito Bancários) ou as LCI (Letras de Crédito Imobiliárias) são outras escolhas que podem ser feitas pelo investidor. Por exemplo, existem CDBs que pagam próximo a 120% do CDI (Certificado de Depósito Interbancário), que é um índice muito importante para a renda fixa, enquanto a poupança, atualmente, rende em torno de 70% dessa mesma taxa.

Percebeu a diferença de rentabilidade?

E, a segurança é a mesma, visto que o CDB, desde que registrado corretamente na CETIP, conta com a cobertura do FGC. O mesmo fundo garantidor que cobre as aplicações dá a segurança para poupança.

Então, por que investir na poupança se é possível ter a mesma segurança com outras aplicações e rentabilidades maiores?

Comparando: Tesouro Direto x Poupança

Para um melhor entendimento, observe a simulação abaixo:

Para o nosso estudo, vamos antes dar os nomes para as siglas.

O CDI é um índice muito importante para a renda fixa. Portanto, basicamente, rentabilidades acima desse índice são boas e, abaixo desse índice são ruins.

A inflação é representada pelo IPCA.

Então, como podem observar, a poupança está abaixo do CDI e, mal ganha da inflação. Enquanto, um CDB de 120% do CDI está representando bom rendimento e, o mais interessante uma aplicação que renda IPCA+6% está com rentabilidade acima de todas as outras apresentadas.

Mas, você sabe que tipo de aplicação poderia ser essa que remunere a inflação com 6% de juros acima? O Tesouro Direto. Isso mesmo. A aplicação mais segura até que a famosa poupança e que você pode começar hoje com valores próximos de 30 reais.

Dê uma olhada nos títulos do tesouro no dia 28/08/2018 e, entenda o que estou falando.

Por exemplo, considere um título do tesouro direto para a sua aposentadoria, o tesouro IPCA + 2045, que possui rentabilidade de IPCA + 5,68%.

E, você deseja começar com 10 mil reais e aportes mensais de 750 reais. Sabe quanto seria a diferença se você fizesse uma comparação com a poupança?

Não?!

Então, vamos mostrar para você.

Como mostra o gráfico, para o mesmo capital investido e mesmo prazo, os valores finais são muito diferentes.

Então, essa pode ser a diferença entre ter uma aposentadoria ruim ou uma aposentadoria tranquila.

Conclusão

Embora a poupança seja o investimento mais disseminado perante a população brasileira, tal aplicação possui baixo rendimento em relação as outras do mercado financeiro.

Infelizmente, boa parte da população ainda conta com informações de pessoas que não visam o desenvolvimento financeiro de seu capital, mas, sim, com o repasse para a instituição bancária para o qual trabalha.

Em torno de um quarto (25%) dos investidores da poupança mal sabem a sua rentabilidade. Ou seja, milhões de reais investidos numa aplicação onde as pessoas não sabem o que estão fazendo. E, podem até perder o poder de compra para a inflação devido a essa péssima escolha.

Porém, nem tudo está perdido. Segundo a pesquisa, o comportamento passa a ser diferente entre os jovens. As instituições bancárias não possuem tanta influência para eles. Onde, então, fazem uma procura maior.

Independente da faixa etária, capital a ser investido ou não e, classificação social. A educação financeira deve ser amplamente divulgada pois, além de fomentar o desenvolvimento no mercado de capitais, também educa a população para o controle de dívidas.

Obrigado pela leitura.

Ruan Marins Nogueira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários