Educação financeira, critérios e prioridadesVocê já parou para pensar em como toma suas decisões de consumo? Tente se lembrar do momento em que viu determinado produto e decidiu comprá-lo. Deixe-me ajudá-lo: o exato instante em que seu desejo falou mais alto trouxe, em sua imaginação, diversas situações em que o uso do produto lhe conferia vantagens, benefícios, satisfação e alegria. Tudo na sua cabeça, em ocasiões surreais, mas suficientemente fortes. Momentos de forte emoção.

O estímulo varia de pessoa para pessoa, mas está sempre presente. O sentimento de participação e pertencimento existente nas sociedades transforma a compra em um hábito mais relacionado ao valor subjetivo e intangível de seu legado que à real necessidade em torno do produto em questão. Ou existe alguma lógica no dia-a-dia de alguém que gasta até 60% de sua renda em marcas e produtos de luxo?

Eu compro, você compra, todo mundo compra…
Em outras palavras, compramos muito mais porque queremos do que porque precisamos. E ai as coisas começam a se complicar. Apelando à tão maltratada sabedoria popualr, “querer não é poder”. Comprar porque é bacana, dá prazer e completa não garante continuidade profissional, melhores condições familiares ou uma aposentadoria melhor. Não, isso só torna o presente aparentemente mais rico.

A esta altura você está meio bravo comigo ou com uma ligeira culpa por ter gasto tanto com algumas bobeiras e tão pouco com o que realmente interessa. De repente mantém um guarda-roupa cheio de camisetas de grife, um bom carro na garagem, mas reclama da falta de dinheiro para a reforma da cozinha e para o curso de inglês dos filhos. Ou quem sabe você é do tipo que paga caro por muitas horas em salões de beleza, mas deve no cartão de crédito e na faculdade. Um bom observador e uma janela aberta podem conferir melhores exemplos.

A provocação incomoda, mas é capaz de fazer você refletir? Excelente! Sugiro que mantenha a atenção e direcione seus pensamentos (a essa altura envolvidos com as inúmeras compras dos últimos dias) para o texto. Você está exatamente na situação que escolheu. Como toda interpretação está sujeita a conclusões precipitadas, explico: escolhas são sempre reflexo de prioridades. Ou da falta delas.

Priorizar é um passo essencial em qualquer área de nossa vida.
Sejamos francos e menos hipócritas ao menos uma vez: quem sustenta dívidas e/ou vive com problemas financeiros sabe o que precisa fazer para mudar sua situação: contabilizar as dívidas totais e negociá-las; anotar suas receitas e despesas; cancelar cartões de crédito; consumir menos; economizar mais; aprender mais; etc. Certas coisas são óbvias, mas mexem com coisas maiores que o bolso. Ego. Orgulho. Família. Quem quer realmente se dar ao trabalho de sair da zona de (des)conforto?

Ao mesmo em tempo em que clamamos por práticas comprovadas para sair do vermelho e investir com mais inteligência, relutamos em aceitar que a responsabilidade de levar adiante novos hábitos financeiros é nossa, e só nossa. Queremos que alguém ou alguma instituição apresente a solução. Se nada acontecer, a culpa é do método, da abordagem, da difícil implementação, disso e daquilo. Nunca da ausência de critérios e das prioridades difusas.

Eu poderia citar inúmeras razões para você usar seu dinheiro com mais parcimônia e investi-lo com mais frequência. Hoje não. Afinal, você também já sabe que os filhos custarão cada vez mais, que os juros no Brasil são altíssimos, que a Previdência Social seguirá ruindo e que não importa o quanto você tenha, nunca terá o que julga merecer (ou suficiente, se preferir), para ficar em poucos exemplos.

No final, tudo se resume a que critérios e prioridades você está disposto a discutir e implementar, ao que realmente interessa no decorrer de sua vida e nos planos de sua família. Ao que você pretende construir em termos patrimoniais e/ou deixar como legado. Claro que tudo isso pode ser uma tremenda bobagem, especialmente se sua prioridade é apenas achar graça do presente. A depender do critério, sua prioridade já deve ser fechar esta janela. Escolha. Viva. Até a próxima.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários