Alessandro comenta: “Navarro, tenho 37 anos e somente agora, depois de minha primeira experiência de demissão, é que estou dedicando tempo para me educar financeiramente. Trabalho como empregado de grandes empresas deste dos 23 anos. Meu salário foi aumentando gradativamente neste período e consegui formar um patrimônio razoável, que inclui um apartamento médio, um carro e um pouco de dinheiro poupado. Se eu tivesse aos 23 anos o conhecimento que tenho agora, acho que já seria um milionário“.

Histórias como esta de nosso leitor são muito frequentes, e fico feliz ao lê-las, pois independente de ser cedo ou tarde, a educação financeira está finalmente ganhando o espaço que merece, ainda que de forma mais lenta do que eu gostaria.

Sim, faz toda a diferença você ser uma pessoa financeiramente educada, boa conhecedora de princípios que levam à riqueza, bem como dos produtos financeiros disponíveis para multiplicar o dinheiro poupado. Vamos rever alguns pontos importantes neste processo.

1. Gerar renda

É fundamental que você encontre formas de gerar renda. Sem ter dinheiro em mãos, você não terá condições de usufruir dos investimentos disponíveis e oportunidades para multiplicá-lo. Escrevi um artigo com 5 dicas para aumentar sua renda, então se quiser saber mais sobre isso, clique aqui.

2. Poupar

Uma vez que você está gerando renda, é preciso que você estabeleça um padrão de vida que permita que você gaste menos do que você ganha. Tem que sobrar algo no fim do mês sempre! Na maioria dos casos, se você não separar o valor que deseja poupar logo no início do mês, as chances são enormes de você não fazer isso depois.

3. Investir

Aqui temos o ponto alto desse texto: há uma parcela razoável de pessoas que fazem bem os pontos 1 e 2 comentados acima, mas que não lidam muito bem com os investimentos. O motivo para isso é simples: como qualquer outra coisa na vida, precisamos estudar sobre investimentos, e este é o lado técnico da educação financeira.

Veja que curioso: muitas pessoas consideram o dinheiro importante, valioso e difícil de se obter, no entanto quando conseguem juntar uma quantia, não se importam em aprender as formas de protegê-lo nem tampouco multiplicá-lo. Não soa incoerente?

Assim, entenda uma coisa de uma vez por todas: você precisa separar tempo para estudar e aprender sobre investimentos! Depois não adianta reclamar. Clique aqui para ler mais sobre isso e começar seus primeiros passos em investimentos inteligentes.

4. Administrar o patrimônio

Se você já está praticando as tarefas dos itens anteriores, é bom que você analise de tempos em tempos como está sua evolução patrimonial (digo a parte material e financeira, porque o conceito de patrimônio pode ser muito amplo).

A economia e a política de nosso país (e do mundo) mudam constantemente, e o que é bom hoje pode não ser amanhã (basta ver os juros básicos da economia – Selic – para notar isso). Assim, fique de olho nessas mudanças e faça ajustes nas suas fontes de renda e nos seus investimentos de tal forma a proteger e continuar aumentando o seu patrimônio.

Conclusão

Somente com educação financeira você conseguirá alcançar e permanecer no tão sonhado estágio final deste processo, que é a independência financeira. Muitos desejam isso, mas são poucos os que estão dispostos a fazer a lição de casa, que consiste em ter disciplina, investir sempre e não sucumbir aos apelos de consumo.

Ah, reforço ainda que o tempo é um agente fundamental nesse processo, portanto, não deixe para depois. Quantos você começar, mais rico vai ficar e com menor esforço (aportes menores). Deixo aqui uma última dica: um e-Book sobre investimentos que vale à pena você conferir: “Seu Futuro Começa Agora” (clique para fazer o download gratuito). Até a próxima!

Foto “Girl investing”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários