Eu não sei você, mas basta o primeiro Panetone apontar nas prateleiras dos supermercados para que meu coração imediatamente entre num ritmo alucinante e meu cérebro dispare substâncias químicas ligadas ao desejo de consumir. É o aviso de que o Natal chegou!

E este ano sinto que a onda de estímulos cerebrais começou mais cedo. Shoppings Centers, supermercados e até a rua 25 de março anteciparam suas decorações natalinas a fim de iniciar as vendas de fim de ano antes mesmo que o ano chegasse perto do fim.

E ai, não tem jeito… “Sim, quero comprar os Panetones”, avisam meus miolos. “E dos grandes, hein?”, insiste o impulsivo. “Sim, quero comer os Chocotones, levar os papais-noéis, as árvores de Natal artificiais, os enfeites e todo o resto que me oferecerem!”.

Ops, acho que realmente me empolguei e é exatamente isso que o comércio quer. Quanto mais vulneráveis estivermos, maiores serão as chances de que o estímulo da compra seja eficiente.

Adeus bom senso?

Essa coisa de clima próspero, músicas repetitivas e propagandas bem elaboradas realmente mexem com a gente e mais: influenciam nosso desejo de consumo. É como se durante algumas semanas nosso filtro do bom senso perdesse o poder de filtrar os impulsos do consumo.

É a famosa auto-sabotagem a qual estamos tão acostumados quando o assunto é planejamento financeiro. Sabemos que é preciso planejar as compras, pesquisar preços, consultar o saldo bancário, mas uma amnésia recente toma conta do nosso consciente e tudo o que conseguirmos pensar é que aquela comprinha que não estava prevista será quitada facilmente com o décimo-terceiro.

Frase típica neste momento: “Eu mereço!”.

Mas calma lá, não precisa se achar um Maria-vai-com-as-outras só por causa disso. Somos seres humanos, vulneráveis e facilmente influenciados por uma boa estratégia de marketing.

Nosso papel diante da enxurrada de tentações natalinas é conseguir identificar:

  • O que é desejo;
  • O que é impulso;
  • O que é necessidade.

Controlando o desejo repentino

Jamais compre nada sem antes se perguntar qual é o motivo daquela aquisição, seja ela um enfeite natalino ou um micro-ondas na promoção que sua mãe adoraria ganhar de Natal. E, por favor, seja honesto consigo mesmo.

Se ao analisar a situação você perceber que está comprando por impulso e que se deixou levar pelo apelo da bela decoração, então pare onde estiver, devolva o que estava prestes a comprar e volte pra casa com a certeza de que fez a melhor escolha.

No fundo, todo mundo sabe que não precisa de mais enfeites natalinos, mas na hora do vamos ver, vacila e acaba levando o Papai-Noel paraquedista pra casa.

E isso é só o começo da conversa. Estamos no início de novembro e eu te pergunto: você já começou a organizar a lista de presentes e afazeres para o Natal? Se a sua resposta é “Não”, bem-vindo ao clube.

A boa notícia é que você que está lendo este post terá mais tempo para se programar e, consequentemente, mais chances de não se endividar neste Natal. Por isso, a lição de casa que eu deixo ao leitor do Dinheirama, por mais repetitiva que eu possa parecer, é a seguinte:

  1. Verifique se tem muitas parcelas a vencer no cartão de crédito e quanto elas vão te custar;
  2. Tire um extrato bancário e veja se existe a possibilidade de separar uma quantia para a compra dos presentes à vista e em dinheiro, que será sempre mais barato;
  3. Faça uma lista de pessoas a quem pretende presentear;
  4. Enumere a ordem de importância dessas pessoas na sua vida e o quanto pretende e pode gastar com cada uma delas;
  5. Compare preços e tente concentrar o maior número possível de presentes em uma mesma loja para economizar tempo e aumentar o poder de barganha.

Agora, se você analisou sua situação financeira e percebeu que não vai conseguir presentear amigos e familiares sem ficar endividado, meu pensamento motivacional é o seguinte: é melhor passar UM natal em branco do que a VIDA no vermelho. Esta e outras filosofias estão lá no meu blog também, acesse: www.poupecomsara.blogspot.com

Deixe a vergonha de lado e assuma um compromisso com você

Converse com os amigos, família, filhos, colegas de trabalho e explique a situação. Diga que você resolveu colocar as contas em ordem e que para isso vai precisar da compreensão de todos.

Deixe claro que você não está passando necessidade, que está tudo sob controle, mas que este ano sua contribuição com o Natal se resumirá a um belo peru recheado (exemplo fictício) e muitas gargalhadas de alegria por saber que está ali de corpo, alma e bolso tranquilos.

Superar o hábito de deixar tudo para a última hora ou passar por cima do próprio orgulho e assumir as limitações financeiras talvez sejam os melhores presentes de Natal que você possa dar a si mesmo. Presenteie-se e seja feliz! Até a próxima.

Foto “Christmas magic”, Shutterstock.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários