Se você é jovem ainda, certamente se lembra de um episódio de Chaves onde a turma da vila cantava: “Se você é jovem ainda, amanhã velho será…” (pausa para momento nostálgico). Se você é jovem, mas não se lembra dessa música, permita-me perguntar: o que você fazia nas décadas de 1980/1990? Ok, não é da minha conta! Vamos ao que interessa.

Nesta minha primeira colaboração ao Dinheirama (do qual até então eu era apenas fã, obrigada Conrado Navarro!), fui incumbida da tarefa de avaliar a percepção dos jovens de hoje em relação aos investimentos. Fiquei feliz com o tema, e ao mesmo tempo preocupada.

“Ora bolas”, pensei eu com os meus botões, “como vou falar de investimentos de uma turma que mal consegue planejar o próprio futuro?”.

Claro, nunca devemos generalizar. A nova geração tem, sim, seus representantes “pé-no-chão”, que sabem que este é o momento de iniciar a captação e investimentos de recursos para viver um amanhã mais tranquilo. Mas o que se vê hoje, na maioria dos casos, são jovens cheios de vontades, ansiosos pelo hoje e alienados em relação ao futuro.

Ontem mesmo me vi diante dessa situação durante a gravação de uma entrevista para a emissora onde trabalho. Vou abrir aqui um diálogo entre mim e o jovem de 20 anos:

Eu: Você já está trabalhando?

J: Não. Trabalhar cansa muito e no ano passado quando eu tentei trabalhar acabei repetindo de ano na escola e não quero que aconteça de novo.

Eu: E o que você faz enquanto não trabalha?

J: Eu fico em casa, assisto a TV e como o dia todo. Minha mãe reclama, mas fazer o que?

Eu: Como você se vê daqui a 20 anos?

J: Nunca parei para pensar nisso, sei lá!

Eu: Mas o que você gostaria de fazer? Quais são seus sonhos? (A esta altura a ponto de ter um ataque cardíaco)

J:  Não sei. Eu não tenho nenhum sonho. Pra mim está bom do jeito que está. Minha mãe me dá tudo o que eu quero. Ainda não parei para pensar nisso.

Dá para acreditar? Está gravado. Aquela conversa me deixou irritada, mas estou aprendendo a me controlar, pelo menos diante dos entrevistados e das câmeras.

Que tipo de ser humano não tem sonhos? É uma triste constatação, mas não é difícil se deparar com pessoas que abdicam da palavra expectativa em seu vocabulário.

Por que esse jovem, aos vinte anos, ainda não criou a independência necessária para erguer as mangas e procurar um trabalho? Segundo o próprio jovem, a mãe, que é manicure, se mata de trabalhar para dar o melhor para ele e seu irmão mais novo. Sempre foi assim e, pelo que eu pude perceber, assim será até que a mãe se canse de sustentar um marmanjo, ou pior, dois.

Será que é este o perfil do jovem de hoje? Espero que não!

Finalmente entramos no tema deste post: o jovem e os investimentos. Só investe quem tem esperança, quem tem expectativas e ambições futuras. Só investe quem quer ser alguém melhor no futuro, quem quer alguma coisa da vida. Prioridade, um aspecto sempre lembrado nos ensinamentos de educação financeira.

Hoje o cenário é outro: falta vontade e sobra arrogância à nova juventude. Vi agora há pouco a pesquisa divulgada pela Anbima e foi esta postura que ví ali traduzida em números: “Quero um investimento que seja simples, que me dê retorno rápido e que não me ofereça riscos” disse a maioria dos entrevistados. Ahhhh, vá!

Se você, caro jovem investidor e leitor do Dinheirama, não compartilha dessas ideias e se surpreendeu com o teor deste texto, tenho apenas uma coisa a dizer: parabéns, você está no caminho certo! Provavelmente aquela música do Chaves surtiu algum efeito sobre o seu inconsciente.

Porque amanhã velhos seremos; e seremos os velhos que plantarmos hoje. Plantar significa valorizar a educação financeira. Pense nisso! Até a próxima.

Foto “Young and senior”, Shutterstock.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários