Tenho acompanhado com profundo interesse o desfecho da campanha presidencial de 2014. O acirramento das posições parece de fato dividir o país em dois, mas com um agravante: ambos os lados partiram para uma campanha que fugiu de assuntos importantes para o país.

Fica a impressão, latente e perigosa, de que somos inimigos e não buscamos um único país, melhor, mais justo e com expectativas positivas quanto ao futuro da economia, educação, saúde, infraestrutura, investimento e etc.

Em meu modesto ponto de vista, e aqui não tenho nenhuma pretensão de alcançar o status de “dono da verdade”, acredito que o principal papel do governo é fazer com que as pessoas dependam menos dele ao longo do tempo.

Mais uma vez reforço que minha posição não é nenhuma crítica específica a projetos sociais e de transferência de renda. Eles são fundamentais para momentos como os que vivemos atualmente, principalmente quando no país ainda enxergamos uma grande quantidade de pessoas que vivem em condições realmente precárias.

O grande problema dos projetos sociais é que o pouco dinheiro que recebem como benefício acaba se tornando uma “muleta” que o acomodará por muito tempo. O ideal seria que tais benefícios servissem apenas como um “bote salva vidas”, para atravessar um momento de tormenta, temporário.

Temos que admitir que tanto o PT como o PSDB falharam na gestão de governo em se tratando de qualidade nos serviços públicos. Percebemos facilmente a ineficiência dos diversos órgãos públicos administrados por estes partidos nos últimos anos.

No âmbito federal, ficaram muito evidente os desmandos e a falta de controle em diversos momentos, mas o mesmo também acontecia nos governos tucanos, que também apresentaram casos graves de corrupção (ainda hoje existem muitos problemas em suas gestões nos governos de importantes cidades e estados brasileiros).

“Qual o melhor dos governos? Aquele que nos ensina a governarmo-nos a nós próprios” (Johan Wolfgang Von Goethe)

Voltando ao hoje, qualquer pessoa que precise de um serviço público, normalmente encontra muitas dificuldades para ser bem atendido. É assim nas áreas da saúde, na educação e mesmo quando se aposenta e conta apenas com a contribuição da previdência oficial.

A mensagem que falta às pessoas, e que deveria ser claramente transmitida pelos governos, é a de que somos também responsáveis pelas mudanças/melhorias que desejamos. Um eventual “choque de realidade” depende, antes de tudo, do cidadão. Corrupção, desvio de conduta, má gestão de recursos, será que tudo isso é tão diferente da nossa vida pessoal?

Precisamos assumir nossa parcela de responsabilidade em construir um futuro melhor e mais rico, independente de quem esteja no comando do país. Creio que só assim poderemos usufruir de serviços de qualidade em saúde, educação e tantas outras que hoje cobramos no serviço público e sabemos que só iremos encontrar na área privada.

O texto de hoje é curto, mas a reflexão precisa ser feita de maneira séria e sem viés político partidário. A ideia aqui é desarmar os eleitores, trazendo-os de novo para o exercício da cidadania e buscar o entendimento de que vivemos em um único país, ainda desigual é verdade, mas que precisa se unir para poder seguir adiante.

Vote com consciência, mas sem ódio – isso para que não fique mascarada a nossa real responsabilidade de transformar e mudar o país com boas ideias e muita ação, e nunca com rancor, segregação e ódio. Obrigado e até a próxima!

Foto “Helping others”, Shutterstock.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários