Economistas muitas vezes fazem uso da expressão “ceteris paribus” (tudo o mais permanecendo constante) para demonstrar o que pensam. As pesquisas mais recentes de intenção de voto para as próximas eleições estão começando a ficar emboladas pela queda da presidente Dilma e subida dos demais candidatos – e já apontam mais concretamente a possibilidade de haver segundo turno.

O “ceteris paribus” fica por conta da não avaliação de mudanças, na hipótese do movimento “Volta Lula” começar a ganhar força nas hostes do próprio PT, com seu projeto de manutenção do poder. Parece claro que isso pode ocorrer, mas teria que ser melhor avaliado, se e quando existir concretamente.

Como podemos avaliar a situação presente?

No meu ponto de vista, os brasileiros só têm a ganhar com a corrida presidencial mais acirrada. Isso porque os candidatos ao planalto terão que se mostrar mais em debates e programas de governo, abrindo chance de a sociedade melhor avaliar quem realmente melhor se encaixa na sua visão de Brasil.

Saímos, portanto, do plano pessoal de “salvadores da Pátria” para avaliar governos e programas, o que certamente é imensamente melhor para o país e criação de uma Nação (com letra maiúscula mesmo).

É voz corrente entre os formadores de opinião, e minha também, que não importa muito quem ganhe, o Brasil terá que passar por muitas mudanças no plano econômico.

Com mais ou menos sofrimento, o vencedor terá que modificar essa tendência de deterioração de nossas contas e produzir choque de confiança para os empreendedores locais e investidores estrangeiros.

Também é verdade que todos os candidatos e suas assessorias sabem onde as reformas mais urgentes precisam ocorrer. Acontece que, por serem medidas duras, alguns candidatos vão evitar abordá-las, ou simplesmente tangenciar os problemas enquanto puderem.

Quais são as propostas para a Nação?

Nos embates televisivos e nos programas de governo explicitados, os candidatos terão que elencar os principais problemas, suas soluções factíveis e como e em que velocidade farão as mudanças.

Desse cardápio terá que constar obrigatoriamente temas como crescimento e desenvolvimento econômico, inflação com metas mais palatáveis e convergência, como tornar o país mais competitivo, como ampliar a produtividade das empresas (basilar) e como gastar e investir recursos de forma mais eficiente.

Ah, também deve entrar nessa lista o tratamento a ser dado à corrupção e como lidar com os programas sociais em ambiente de recursos escassos. Há ainda a necessária reforma política e os desafios de preparar e treinar o país para crescer, com o sem recursos do pré-sal.

Não menos importante, o que fazer para ampliar a poupança e o investimento como participação do PIB e como atrair os investidores estrangeiros, absolutamente fundamentais para projetos de longa maturação, notadamente em infraestrutura. Disso tudo é que emergirá o candidato mais adequado ao país, e sem salvadores da pátria. Ufa.

Temos que ter mais programas e menos falatório inconsequente. Temos que aprender a cobrar de nossos dirigentes os compromissos assumidos de campanhas. Temos que dar duro no Congresso Nacional, afinal de contas ele foi eleito por nós e também com compromissos assumidos.

Merecemos um país melhor!

Temos que começar a criar uma Nação que possa ser orgulho de todos e não meio de vida de alguns poucos enfronhados no poder. Que venham então os debates de ideias e programas de governo. O Brasil só tem a ganhar com isso!

Diante desse clima que deve ser incorporado aos mercados de risco, sugiro acessar nosso site Orama.com.br e buscar as alternativas de investimento mais adequadas para suas expectativas de risco e retorno.

Lá você poderá baixar gratuitamente eBooks e assistir às videoaulas que preparei junto com a Sandra Blanco para você, investidor, ficar bem preparado para fazer as melhores escolhas de investimento no atual cenário macroeconômico. Obrigado e até a próxima.

Foto “Arms with brazilian flag”, Shutterstock.

Alvaro Bandeira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários