Home Economia e Política Em corrida pelo ouro, BCs cortam dívida dos EUA em reservas

Em corrida pelo ouro, BCs cortam dívida dos EUA em reservas

O ouro à vista saltou 9,3% em março, o seu desempenho mensal mais forte desde julho de 2020, apesar do dólar forte e das elevadas taxas de juro

por Gustavo Kahil
0 comentário

Os principais bancos centrais do mundo estão trocando o perfil das suas reservas oficiais de títulos do Tesouro dos EUA (Treasuries) por ouro, elevando os preços do metal para níveis recordes.

O ouro à vista saltou 9,3% em março, o seu desempenho mensal mais forte desde julho de 2020, apesar do dólar forte e das elevadas taxas de juro reais dos EUA. Essa recuperação continuou, com o ouro atingindo máximos recordes sucessivos durante as últimas sete sessões, atingindo US$ 2.353,79 por onça na segunda-feira.

Preços do ouro por onça (US$)

Fontes: FastMarkets, ICE Benchmark Administration, Thomson Reuters, Conselho Mundial do Ouro; *Dados de 9 de abril de 2024

A China divulgou nesta semana que suas reservas de ouro aumentaram 5 toneladas em março — aumentando pelo 17º mês consecutivo. Durante os primeiros três meses de 2024, as suas participações aumentaram em 27 toneladas, para 2.262 toneladas.

O movimento faz parte de uma demanda global por BCs que já está em alta há dois anos e que parece continuar em 2024. A Turquia, a Índia, o Cazaquistão e alguns países da Europa Oriental têm comprado ouro este ano juntamente com a China.

Demanda por ouro pelos BCs: compras e vendas mensais

Fontes: IFS do FMI, respectivos bancos centrais, Conselho Mundial do Ouro *Dados até fevereiro de 2024, quando disponíveis

“Os fundamentos que sustentam a atual recuperação incluem o crescente risco geopolítico, as compras constantes do banco central e a procura resiliente de joias, barras e moedas. Juntamente com a perspectiva de taxas de juro mais baixas no futuro, a sugestão é que os ETFs perderam a recuperação e estão agora sub afetados”, mostra um relatório de mercado produzido pelo Conselho Mundial de Ouro nesta semana.

Troca global

A corrida pelo ouro dos bancos centrais é sustentada pelos desequilíbrios da economia global, como o forte aumento das emissões de dívida. Segundo a Crescat Capital, o atual aumento nas emissões de dívida soberana não tem paralelo.

“Mesmo durante a década de 1940, um período caracterizado por elevados níveis de dívida pública, existia um certo grau de estabilidade com o sistema monetário dos EUA ancorado no ouro. O ambiente atual apresenta um forte contraste. Apesar das pressões inflacionárias generalizadas na economia, testemunhamos o que pode ser descrito como o ambiente monetário e fiscal mais indisciplinado da história”, explicam Kevin C. Smith e Tavi Costa, em um relatório enviado a clientes no final de março.

Segundo eles, dada a crescente escalada das tensões geopolíticas e o desmoronamento de parcerias comerciais de longa data, as atuais circunstâncias poderão significar o fim de uma era definida pela globalização financeira.

“Os bancos centrais não têm outra alternativa senão assumir a responsabilidade por estes desafios, agindo como principais fornecedores de liquidez para resolver os seus próprios desequilíbrios de dívida soberana e de avaliação de ativos. Consequentemente, o papel do ouro como um ativo universal e neutro, com milênios de história como dinheiro, experimenta um ressurgimento em relação aos títulos do Tesouro dos EUA para acumulações globais de reservas do banco central”, pontuam.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.