Empreendedor, um conceito que vai além do que você imaginaRefletindo um pouco sobre as informações que nos circundam no dia-a-dia, percebi que, seja nos jornais, blogs, canais de televisão ou em muitos livros (dentre outros meios de comunicação), algumas palavras sempre figuram com destaque em artigos e observações de jornalistas e comunicadores. Sucesso, profissionalismo, atitude, mudança, zona de conforto, empresário, futuro, estratégia e por ai vai. E, dentre as inúmeras citações do meio, com certeza está a palavra “Empreendedorismo”!

Alguma novidade? Não. Isso é algo que quase todas as pessoas já ouviram falar e que, com certeza, os mais informados já estão cansados de ouvir. Atualmente, quando se vê um grande feito ou uma grande idéia inovadora, fala-se que o autor dessas façanhas foi (é) um grande empreendedor[bb]. Em suma, “virou moda” dizer que qualquer atividade ou função realizada com eficácia e eficiência é dita como empreendedora.

Mas, em essência, o que significa ser empreendedor? Você saberia responder a esta questão com facilidade e sem perder o foco da pergunta? De bate pronto, o que pode dizer a respeito disso? Quando justificamos demais uma resposta, tendemos a deixar de lado a essência de sua razão de existir. Então pense, por exemplo, nesta outra questão: empreender para quê?

Vamos fazer mais uma reflexão, aparentemente um pouco estranha, mas com muito sentido prático. Seguindo o raciocínio anteriormente exposto, é possível afirmar que, quando se realiza algo, se é empreendedor. Portanto, seguindo essa linha, empreender é realizar! Porém, é interessante se questionar: quais são as competências ou características necessárias ao indivíduo para se realizar uma atividade com sucesso[bb] e realmente empreender?

Pois é, fiz esta pergunta para alguns colegas, sem fazer grandes explicações e deixando pouco claro o ponto que eu queria atingir. A resposta foi a seguinte: é preciso que exista iniciativa, atitude, pró-atividade, visão global, perseverança, equilíbrio, criatividade, postura profissional, auto-análise, comunicação, conhecimento teórico, estabelecimento de metas (e seu cumprimento), liderança, empenho e etc.

Se ser empreendedor é realizar, e se para realizar é necessário ter as características citadas acima, é possível afirmar que o empreendedor é uma composição de todas essas características? O resultado da discussão é bastante óbvio, mas a reflexão é inicialmente confusa. Por que? Porque empreender significa observar, valorizar e executar pequenos detalhes.

Pense e tente imaginar uma pessoa que você conhece, que detém todas essas habilidades – seja exigente em sua avaliação. E aí? Conseguiu imaginar alguém que possua todos esses predicados? Lembrou de uma pessoa? Duas? A grande maioria, na verdade, não consegue imaginar nenhuma. E também não se considera parte do grupo.

Por que? Ah, a “famosa” autoconfiança, uma das principais características de um grande intra-empreendedor – vamos deixar a explicação de intra-empreendedor para outra ocasião. Ora, imagine o que seria de nós se Alexander Graham Bell (o inventor do telefone[bb]) não acreditasse na idéia de que as pessoas poderiam se comunicar, ainda que distantes umas das outras. Ele encarou o desafio porque acreditava ser capaz de superá-lo. Elementar? Não acho.

E se Thomas Edison (o inventor da lâmpada incandescente) aceitasse a idéia da época, de que a luz só estava presente e era necessária durante o dia? Ambos acreditaram em seus sonhos, foram persistentes, tiveram iniciativa, além de inúmeras outras qualidades, dentre elas a de aprender com seus erros e a de seguir tentando. Não por sorte, são denominados grandes empreendedores.

E você, o que pensa a respeito disso? Atualmente, você se considera um empreendedor? Por que? Se não, o que acha de começar a reverter esse quadro? Alimente esta questão, dando destaque aos fatores fundamentais para o empreendedor vencer e se destacar. O que é importante? O que não é? Aguardo seus comentários. Até a próxima.

——
Bruno Biscaia
é estudante de Engenharia de Produção, interessado em finanças, em gestão de pessoas e em inovação. Atua diretamente com marketing na empresa júnior da Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI) e edita a seção de Empreendedorismo do Dinheirama.

Crédito da foto para stock.xchng.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários