Home Carreira Empreender depois da maternidade: dona de negócio digital compartilha dicas de como começar

Empreender depois da maternidade: dona de negócio digital compartilha dicas de como começar

Para a empreendedora, que é mãe de dois filhos pequenos, todos os negócios conseguiram encontrar a sua presença on-line no mundo pós-pandemia

por Agência Sebrae
0 comentário

A maternidade combinada com a pandemia foram o empurrãozinho que faltava para que a jornalista Elisa Langsch, de 38 anos, abandonasse de vez seu emprego tradicional de 40h semanais e entrasse de cabeça no empreendedorismo.

Até então, seu hobby como produtora de conteúdo digital ainda não representava um extra na renda mensal, mas, após a chegada do seu primogênito, ela resolveu apostar na ideia.

“Meu filho nasceu duas semanas após o início do isolamento. Então, além de a maternidade ter sido uma grande mudança, todo o resto começou a mudar”, relata.

“A gente passou a usar muito mais a internet. O mercado on-line também cresceu bastante e empreender virou uma possibilidade real para mim”, acrescenta.

Atualmente, ela e o marido comandam a Edufe Digital, que presta consultoria para gestantes que estão preparando o enxoval do bebê, com foco na mãe de primeira viagem.

A ideia foi amadurecendo depois que Elisa encontrou seu nicho on-line, principalmente nas redes sociais, onde a jornalista começou compartilhando dicas de organização do lar e evoluiu para o público composto, principalmente, por mães.

Esse é um mercado enorme, existem muitas possibilidades. Acredito que em 10 anos a gente vai conseguir oferecer um serviço bem mais completo.

Elisa Langsch, empreendedora digital.

A afirmação de Elisa se encaixa na realidade apurada pela quinta edição da Pesquisa Pulso dos Pequenos Negócios, que revela que, quando se trata de utilizar ferramentas digitais, sobretudo as redes sociais, como canais de venda, as mulheres se destacam.

O estudo do Sebrae em parceria com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) também mostra que 78% das empresas que mais vendem por meios digitais são comandadas por elas.

Entre os empreendedores homens, esse percentual é de 68%. Já a segunda edição dessa mesma pesquisa indica que o WhatsApp e o Instagram são as redes sociais mais utilizadas para vender produtos e serviços pelos pequenos negócios independentemente do gênero.

Para a empreendedora, que é mãe de dois filhos pequenos, todos os negócios conseguiram encontrar a sua presença on-line no mundo pós-pandemia.

“Isso facilitou muito o empreendedorismo feminino porque antes, para conseguir empreender, a mulher precisava abrir uma franquia ou a própria loja, passar muito tempo fora de casa e isso não resolvia uma série de questões domésticas”, explica.

(Imagem: Joédson Alves/ Agência Brasil)
(Imagem: Joédson Alves/ Agência Brasil)

E continua: “Não quer dizer que hoje ficaremos em casa para sempre, mas talvez você queira ficar em casa por alguns anos, enquanto seus filhos são menores, que é o meu caso. Futuramente, talvez eu nem precise mais ficar tanto tempo assim. Estou muito aberta a essas mudanças na empresa e na minha vida também.”

Segurança primeiro, liberdade depois

A liberdade foi o ponto que chamou mais atraiu Elisa para o empreendedorismo. “Antes da pandemia, era normal para todo mundo aquele trabalho presencial, de passar 12 horas por dia fora de casa.

Mas, ao virar mãe, isso perdeu totalmente o sentido. Eu queria ter a escolha, a liberdade de decidir: se meu filho ficou doente, eu posso ficar em casa não preciso dar satisfação para ninguém.

Simplesmente adapto a minha semana, a minha rotina. Não é fácil, mas eu queria ter a liberdade e foi isso que eu conquistei com a mudança de carreira”, conta.

Para as mães que estão pensando em empreender, assim como Elisa, ela traz conselhos que podem ajudar na adoção de uma nova jornada de trabalho:

Construa uma transição com segurança

É claro que uma mudança de vida sempre trará consigo riscos, mas, se guardar dinheiro for uma opção viável, organize-se e se prepare para abrir seu negócio com segurança.

Estruture sua vida financeira ao máximo para fazer uma transição de um emprego tradicional para o empreendedorismo com tranquilidade.

Não se apegue aos problemas!

Muitas dificuldades fazem parte do caminho empreendedor, especialmente para quem está entrando em um mercado novo, mas é necessário ter em mente o objetivo principal e não se deixar abalar pelos problemas, procure soluções.

É preciso estar aberto para aprender novas ferramentas e conhecer pessoas que podem ajudar no caminho.

Cerque-se de pessoas que fizeram o mesmo caminho que você

A transição de carreira ou entrar em um novo mercado pode ser assustador.

Estar próximo de pessoas que já trabalharam na área antes pode ser uma virada de chave. Invista em cursos onde você possa fazer networking.

As mentorias também são espaços muito interessantes, porque além de um mentor compartilhando conhecimento, são várias pessoas trocando experiências e dificuldades.

Sempre há alguém que já vivenciou o seu problema e pode apontar alternativas.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Assine a newsletter “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.