Empresas, empreendedores e o Leão da arrecadaçãoNos últimos anos, observamos um significativo engajamento do ambiente empresarial ao chamado terceiro setor. Por engajamento, entenda-se: projetos efetivos, investimentos[bb] de toda ordem, virtuosas iniciativas, mas como sempre também existe muito discurso. A velha retórica de sempre, mas agora associada à “versão 3G” da patrulha ideológica. A ditadura do politicamente correto.

Antes de causar qualquer polêmica, preciso deixar algo bem claro: sou absolutamente partidário desse envolvimento nas questões sócio-ambientais. Mais do que isso, vejo nessas iniciativas um necessário e seguro investimento em nossa sobrevivência. De fato acredito nisso.

Mas vou me permitir compartilhar com vocês uma nova abordagem do mesmo tema. Vamos lá.

Trabalhamos mais de um 1/3 do ano para pagar impostos. São mais de quatro meses totalmente dedicados a isso, garantindo uma das maiores, se não a maior, arrecadação tributária do planeta.

Muito bem. Com essa cifra bilionária, crescente e, como sabemos, insaciável, o aparelho estatal tem por obrigação investir em educação, segurança, urbanização, inclusão social etc., etc., ou seja, no próprio terceiro setor.

Com toda franqueza, não é necessário acompanhar as mazelas nacionais na mídia para ter a certeza inequívoca do quanto essa massa de dinheiro[bb] é deficientemente empregada, quando é empregada. Para tanto, basta uma boa observação.

Diante disso, sugiro algumas reflexões:

  • Estaríamos nos engajando adequadamente? Será que é suficiente e eficaz nos limitarmos aos investimentos socialmente responsáveis, nos esquecendo de cobrar a correta aplicação dos recursos que nos são arrecadados?
  • Não estaríamos assim contribuindo para um modelo de inclusão menos sustentável no longo prazo?
  • Não seria o ato de cobrar de forma estruturada, por si só, uma excelente iniciativa em prol da responsabilidade social?

É totalmente legítimo que as empresas empreendam os seus próprios esforços na área social, com ou sem renúncia fiscal associada, reforçando o seu posicionamento institucional. Mas acho que não é o bastante. Falta engajamento efetivo. Algo que vá além do “cool”, além daquilo que é, digamos, “bonitinho”. Algo que nos permita cobrar do Estado para que faça a sua parte.

Enquanto isso, o Leão persegue as suas presas, sem nenhuma preocupação com a sua imagem institucional ou com o posicionamento politicamente correto. Ele não se interessa pelo assunto e não está nem aí para falar a verdade, mas segue voraz, eficiente, bravo e faminto.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

Plataforma Brasil
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários