Crise Financeira - Falta de DinheiroRecebo muitos e-mails de pessoas procurando ajuda para sair de uma crise financeira. É o clássico “pé na jaca” como bem definiu uma delas. E você? Está neste grupo? Se não, seguramente conhece alguém nesta situação. Costumo dizer que uma crise financeira só traz boas notícias. Como assim? Ora, se você está nesta situação é porque a culpa é sua. Só sua. Não é uma boa notícia? Sair, ou não, desta situação é uma decisão que só depende de você. Não é outra excelente notícia? “Mas Navarro, estar devendo é uma péssima notícia”. Deve ser. Agora, se você deve é porque, entre dever ou não, preferiu dever. Me desculpe, mas o “poder escolher” é a melhor coisa que pode nos acontecer. Enfim, outra boa notícia. Viva o livre arbítrio.

Costumo receber um caminhão de críticas por abordar o “problema” desta forma. “Navarro, se estas pessoas são vítimas de um problema financeiro, trate-as como tal”. Vítimas? Ora bolas, eu devo estar ficando maluco. Concorde ou não, você moveu cada pedra que compõe esta gigante montanha de contas e dívidas atrasadas. A primeira coisa que você tem que fazer, e fazer agora, é parar de lamentar-se e admitir sua culpa. Pare de acreditar que uma solução cairá do céu ou que há algo mais que o force a permanecer inerte e ainda endividado. Assuma seu verdadeiro lugar, pare de julgar a tudo e a todos e permita-se um momento de fraqueza. Engula o orgulho. Vítimas? Será que sou o carrasco da história?

Pare imediatamente de fugir das pessoas, lojas ou instituições a que deve dinheiro. Você não é mais uma criança. O problema não irá desaparecer só porque você se recusa a atender o telefone ou porque você costuma rasgar suas correspondências. Se você ainda faz isso, volte ao parágrafo anterior. Se preferir, pare de ler o artigo. Você pode e deve decidir cada passo de sua vida. Decidiu entrar nesta maré de contas? Que tal decidir sair? Que tal atender estes chamados e procurar agir com honestidade e sinceridade? Antes, mais algumas dicas são importantes.

Você já controla seu fluxo de caixa mensalmente? Sabe o que é orçamento? Não? Sua indisciplina para gastar o trouxe até aqui, portanto comece a pensar de forma inteligente daqui pra frente. Combinado? Você vai precisar de uma calculadora e de um pequeno pedaço de papel. Os moderninhos poderão usar uma planilha eletrônica. Vasculhe suas contas, seus registros e construa uma tabela que contenha: o nome do credor, quantia devida, juros cobrados e vencimentos. Organize a tabela de forma a priorizar as divídas com juros maiores. Estas serão as dívidas que exigirão maior esforço de sua parte e que deverão ser negociadas primeiro.

Faça uma pausa e procure trabalhar seu orçamento por algumas horas. Beba uma água, respire. Defina exatamente a quantia disponível livre no final do mês e as possíveis oportunidades de entrada de um dinheiro extra. Considere a possibilidade de usar o bônus da empresa, comissões, férias e a venda de alguns de seus bens. Lembre-se que se você está numa crise deste tipo é porque vive um padrão de vida completamente fora de sua realidade. Livre-se dele. Como resultado desta análise, crie uma nova tabela com as fontes disponíveis de dinheiro.

Olhe para as duas tabelas criadas até aqui, contemple-as por alguns minutos. A resposta para o seu problema de dinheiro está ali, você só precisa aprender a encontrá-la. É fácil, com o que consta na tabela de fontes disponíveis de dinheiro, você poderá pagar o que aparece na tabela de dívidas (Dãh). Óbvio, eu sei. Acredite, é só isso. Pode ser que ainda falte dinheiro? Claro.

Agora você sabe o que deve e o que já tem, e terá, para resolver essa situação. O passo seguinte é partir para a ação. Você terá que arregaçar as mangas, sair do conforto de seu sofá (que ainda não foi totalmente pago) e partir para a mesa do gerente. Mas deixe o orgulho em casa. Lembre de sentar-se com a cabeça erguida, com a dignidade e humildade de quem é honesto e correto. Você é assim, certo? Por favor, você não é vítima de nada. Aja com determinação. Peça um extrato detalhado do que deve e passe a argumentar. Você precisa resolver o problema. Já.

Tente diminuir a taxa de juros. Procure e explore a possibilidade de diminuir os valores das parcelas, lutando por um montante que caiba em seu orçamento (agora você sabe o que é isso, certo?). Você consegue vender aquele carro e pagar uma das dívidas à vista? Ótimo. Negocie o valor, peça desconto e se houver esta possibilidade, abraçe-a. Por último, leve em consideração a possibilidade de usar o crédito consignado caso as taxas de juros da dívida sejam maiores que a do empréstimo (lembre-se de levar a calculadora).

Como sempre, meus textos são simples, diretos e rápidos. Não devo, portanto não temo. Dever sem poder pagar, é permitir que seu nome seja associado à uma lista de maus pagadores. Deixando a matemática de lado, fica a pergunta: é melhor ter ou ser? Vale ter tudo o que você acha que pode ter, ainda que você represente mal seu nome? Ou será melhor honrar seu nome e através dele construir a vida que merece ter? A tal lista sempre vai existir. Seu nome vai constar nela? Isso, só sua atitude poderá responder. Eu? Tô fora!

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários