Entendendo a recessão e os ciclos econômicosAna comenta: “Navarro, estou lendo diariamente notícias e opiniões de jornalistas e economistas sobre o atual momento econômico de diversas nações e percebi que algumas delas já ‘entraram em recessão’. Coloquei entre aspas porque é justamente sobre tal afirmação que eu gostaria de conversar. O que significa para um país, ou para que se diga sobre este país, que ele entrou em recessão? O que é a recessão sob o ponto de vista do cidadão? Há algo fundamental que precisamos saber sobre isso? Muito obrigada”.

Recessão, como o nome já nos convida a refletir, significa declínio da atividade econômica e algum problema para manter a economia[bb] aquecida. A definição é simples, mas ao longo do texto tratarei de aprofundá-la e deixá-la mais técnica, ainda que sem o difícil “economês”. Observar a recessão apenas como um fator isolado não nos dá a dimensão exata desta afirmação, portanto peço licença para um breve discurso teórico sobre ciclos econômicos.

De ciclo em ciclo
Precisamos entender e procurar observar que, historicamente, a economia é formada por ciclos. Na prática, isso significa analisar o desempenho econômico atual e compará-lo a diferentes situações vividas – tanto no passado recente, quanto no mais remoto. Isso significa pautar as análises em indicadores, como o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) por exemplo, que é justamente a tarefa de muitos economistas e analistas de mercado.

Os ciclos, normalmente caracterizados ou pela contração da economia ou pela sua expansão, apresentam indícios fundamentais para que o momento seja bem avaliado, com destaque para:

  • A bonança: trata-se do ápice econômico de uma nação. Níveis de desemprego muito baixos, ofertas de melhores salários, maior demanda, lucros crescentes e mercados imobiliário e de capitais (bolsa de valores[bb]) atingindo incríveis patamares são aspectos que caracterizam esta fase. Em resumo, tudo vai bem e todos ganham dinheiro;
  • A recessão: momento de correção, normalmente decorrente de um forte momento de bonança. Juros e salários ainda altos contrastam com a queda da demanda por produtos e escassez de crédito. As empresas auferem menos ganhos, perdem dinheiro com contratos futuros e tendem a vender seus produtos a preços mais baixos – o que nem sempre funciona, já que a população sente a falta de dinheiro e crédito para comprá-los. Hoje vamos tratar somente deste aspecto;
  • A depressão: é o fundo do poço de uma economia. Preços muito baixos, nível de desemprego altíssimo, salários reduzidos, ociosidade de plantas e fábricas, prejuízos freqüentes, poucos empréstimos e financiamentos são alguns indícios de que uma depressão pode estar em curso. Lembrando que tais indicadores precisam ser avaliados em um contexto histórico e com bons fundamentos comparativos. Há certa confusão entre recessão e depressão;
  • A recuperação: as coisas começam a se ajustar, o dinheiro passa a circular novamente entre os cidadãos e empresas gerenciam suas operações de forma mais coerente. Normalmente, aqui se percebe uma mudança no mercado, com empresas e trabalhadores ineficientes de fora, o que coloca a economia novamente em ritmo capaz de inovar e criar novos produtos a preços interessantes. Entra em cena a esperança, força capaz de fazer as pessoas consumirem mais e confiarem mais no sistema financeiro.

Vale ressaltar que os ciclos nem sempre obedecem uma ordem lógica. Contudo, é fácil perceber que os fatores e fases que os caracterizam explicam o conceito sempre abordado de que “crises são cíclicas”. Elas começam, se agravam ou se dissipam. São trabalhadas e as economias voltam a crescer. E começa tudo outra vez. Enfim, entendidos os principais momentos econômicos a que uma nação geralmente se submete, finalmente tratamos do que muito se comenta na imprensa: existem economias em recessão?

A chamada recessão técnica
Como já vimos, para se definir em que fase uma economia está é preciso avaliar determinados indicadores e compará-los aos seus valores passados. Neste aspecto, surge o importante conceito de recessão técnica, explicada aqui de forma muito objetiva: a economia de um país entra em recessão técnica quando há crescimento negativo do Produto Interno Bruto em pelo menos dois trimestres consecutivos. Vamos entender isso através dos exemplos atuais?

  • A Alemanha, maior economia da Europa, apresentou queda de 0,5% no PIB do terceiro trimestre em relação ao segundo trimestre, o que não ocorria desde 2003. Leia mais;
  • A Itália também viu seu PIB recuar 0,5% no terceiro trimestre quando comparado com percentual do segundo trimestre. Leia mais;
  • O Japão, segunda maior economia do mundo, viu seu Produto Interno Bruto retroceder 0,1% no terceiro trimestre em relação ao segundo trimestre do ano. Leia mais.

Compreendido o aspecto técnico, cabe uma observação: entender essas variações de cenário e definir como elas influenciam o dia-a-dia dos cidadãos não são tarefas triviais. No entanto, é preciso que haja algum compromisso por parte de todos no sentido de absorver a mensagem e imprimi-la em forma de atos e ações dentro de casa e com as finanças[bb] da família. Começar com a leitura de um artigo como esse já facilita a interpretação de notícias encontradas em jornais e revistas especializadas.

Afinal, recessão significa risco de futura depressão, mas também oportunidade de se acertar e voltar ao período de bonança, passando por um convincente momento de recuperação. Na vida pessoal, no ambiente corporativo ou na economia nacional, não importa, seja bem-vindo ao mundo real dos ciclos econômicos.

bb_bid = “74”;
bb_lang = “pt-BR”;
bb_name = “fixedlist”;
bb_keywords = “investidor,cerbasi,terapia financeira,bolsa de valores,mercado de ações,finanças pessoais”;
bb_width = “600px”;
bb_limit = “6”;

Crédito da foto para stock.xchng.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários