Home Empresas Entidade empresarial diz que arbitragem contra Americanas soma R$ 32 bi

Entidade empresarial diz que arbitragem contra Americanas soma R$ 32 bi

A crise da Americanas veio à tona no início de 2023

por Reuters
0 comentário

A demanda feita contra a rede varejista Americanas (AMER3) em uma arbitragem apresentada pelo Instituto Empresa, que reúne cerca de 500 investidores, atingiu o valor de 32 bilhões de reais, afirmou o instituto em comunicado nesta segunda-feira.

A entidade, que atua como substituto processual representando centenas de investidores, solicita o ressarcimento integral dos prejuízos causados pelas fraudes contábeis na Americanas.

O valor total demandado prevê o pagamento da diferença, estimada em 12 bilhões de reais, a todos os acionistas da companhia, e em especial aos acionistas requerentes que se agregarem à demanda, em montante a ser apurado entre o valor pago com base em informações incorretas e o preço correto depurado, além dos elementos de distorções no preço das ações da Americanas, segundo a entidade.

“Tudo que a companhia divulga é de sua responsabilidade direta, porque impacta na formação do preço dos ativos no mercado secundário e nas transações dos investidores. No caso da Americanas, o mercado acreditou em balanços, números e em dados que eram confessadamente falsos”, disse o presidente do Instituto Empresa, Eduardo Silva, em nota.

“A decisão do investidor, seja uma pessoa física, seja um fundo de investimento, foi viciada, uma vez que tomada com base em premissas inverídicas.”

O Instituto Empresa também solicita na arbitragem a condenação dos controladores a indenizar a companhia em pelo menos 20 bilhões de reais por alegados danos sofridos com a fraude contábil, além da devolução de despesas administrativas.

O Bradesco é o maior credor da Americanas, com R$ 4,8 bilhões a receber
O Bradesco é o maior credor da Americanas, com R$ 4,8 bilhões a receber (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

A crise da Americanas veio à tona no início de 2023, quando a empresa revelou ao mercado inconsistências contábeis da ordem de mais de 20 bilhões de reais, levando a varejista a entrar em um processo de recuperação judicial.

Estudos produzidos pela própria companhia apontaram que as inconsistências eram na verdade fraudes contábeis cometidas por ex-funcionários da rede varejista.

Veja o documento abaixo:

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Assine a newsletter “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.