O Brasil da Mundial de Futebol que começará logo, sem dúvida alguma, não está conectado com o Brasil das reivindicações e dos protestos mais recentes. Por mais que não queiramos aceitar, a polêmica cartilha da organização deste Mundial (clique e leia) retrata com precisão muitos de nossos hábitos e costumes.

A pérola do século

O treinador campeão de 1994, Parreira, protagonizou uma verdadeira agressão à inteligência dos brasileiros em uma declaração recente na qual, o hoje coordenador técnico da seleção, afirmou que a “A CBF é o Brasil que deu certo”.

Se valores e princípios éticos não tivessem relevância alguma, a assertiva de Parreira poderia até ser levada em consideração diante do patrimônio absurdo acumulado pelo ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol, cujo nome prefiro subtrair desse texto.

Sedes portentosas, salários elevadíssimos, mansões em Miami, transações nebulosas, autoritarismo e truculência, dentre outros aspectos, encheram os olhos do ex-treinador da seleção brasileira a ponto de fazê-lo afirmar que nós brasileiros deveríamos seguir os passos dos cartolas.

O Brasil do puxa-saquismo?

O descompasso entre o discurso dos jogadores e as reivindicações das ruas é evidente. Nitidamente, os jogadores da seleção não perceberam ainda o que se passa nas ruas do Brasil. Talvez por orientação, eles teimem em minimizar o clamor da população ao afirmarem, repetidamente, que os brasileiros irão apoiar a equipe brasileira.

Talvez por certa ingenuidade de quem reside no continente europeu por mais de uma década, as “estrelas” tendem a uma visão reducionista dos movimentos que deverão tomar as ruas durante o campeonato.

Os discursos são sempre os mesmos e seguem na linha “Representar a minha pátria ao lado dos meus familiares e amigos é uma experiência única”. Só faltaram lágrimas nas coletivas de imprensa.

Os jogadores da seleção realmente creem que o futebol para os brasileiros é uma espécie de entidade superior, que todos devem reverenciar; algo como um Deus que guiará o povo brasileiro entre as trevas até a Terra Prometida.

Cinco troféus ganhos, e o país continua adormecido em berço esplêndido. A população tem uma chance única de provar o contrário.

A cumplicidade entre jornalistas e jogadores

Os profissionais de imprensa precisam escrever qualquer coisa para vender notícias e a assessoria da seleção é cúmplice do ócio jornalístico. Dessa forma, monta-se um verdadeiro circo: jornalistas indagando trivialidades (“Quem foi o primeiro a acordar hoje?”) e os jogadores, dando de ombros, respondendo qualquer coisa apenas para preencher os espaços dos jornais impressos e televisivos.

E as coletivas transmitidas ao vivo para todo o País como parte da “cobertura” da Copa do Mundo no Brasil? Acompanhar a equipe brasileira como profissional sério de imprensa é a arte de fazer perguntas com a convicção de que as suas indagações não serão respondidas.

Ao menos a imprensa poderia fazer os questionamentos que todos gostariam de fazer, mesmo com a certeza de que as respostas não virão. Algo tipo “Senhor Parreira, de que galáxia o senhor veio?” ou simplesmente agradecer-lhe pelos serviços prestados, sem hipocrisia e cinismo.

Escrevi um artigo aqui no Dinheirama falando um pouco mais da nossa realidade atual e convido-o a ler clicando aqui. Precisamos acordar para nossos reais desafios como sociedade e agir como verdadeiros cidadãos. Você concorda? Comente abaixo. Obrigado e até a próxima.

Foto “Brazil soccer ball”, Shutterstock.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários