Entrevista exclusiva - Link Trade e o investimento em açõesFico muito feliz quando tenho a oportunidade de conhecer e conversar com profissionais do mercado financeiro, especialmente quando eles tratam da Internet e das iniciativas de negócios geradas aqui de forma profissional e inteligente. Foi o que aconteceu hoje, quando pela manhã conversei, por telefone, com duas pessoas que trabalham no Link Trade, home broker da Link Investimentos e decidi publicar esta entrevista.

Mônica Saccarelli é diretora do Link Trade. A executiva, que atua no mercado de ações desde 1998, trabalha há três anos na Link Investimentos e foi uma das responsáveis pelo lançamento do Link Trade – que ocorreu em março de 2008. Monica é formada em Relações Públicas pela FAAP, em São Paulo, e pós-graduada em Comunicação Empresarial pela ESPM, em São Paulo, e Marketing, pela Universidade da Califórnia Berkeley, nos Estados Unidos.

Marianna de Oliveira Costa é responsável pela área de research macroeconômico do Link Trade. Economista formada pela FAAP e atualmente mestranda em economia no IBMEC, Marianna trabalha na Link desde agosto de 2005. Anteriormente trabalhou no Banco JPMorgan, também na área econômica.

O interesse para o papo surgiu depois que li o artigo “O aplicador 2.0 na era dos blogs, chats e posts” (para assinantes), publicado na edição de ontem do jornal Valor Econômico, assinado pela Mônica e que já ecoou no blog Investimetria e no portal ADVFN. A conversa com as duas profissionais foi excelente e o resultado você confere na entrevista resumida logo abaixo. Espero que aproveitem o conhecimento compartilhado e encarem o investimento em ações como uma alternativa também interessante (senão fundamental) para o futuro do seu dinheiro. Bom proveito!

1. Em 2002 havia pouco mais de 85 mil investidores pessoa-física cadastrados na Bolsa de Valores de São Paulo. O número chegou a 536,4 mil em dezembro de 2008 e hoje está em torno de 516 mil. O que esperar a respeito destes números? Há espaço para mais investidores?
Resposta: Observando a realidade do país e o potencial da economia, o número ainda é pequeno. Consideramos que um número bastante plausível seja de cerca de dois milhões de investidores nos próximos cinco anos. A BM&F Bovespa tem uma expectativa de atingir cinco milhões de investidores cadastrados neste mesmo período. Espera-se que o total de investidores em bolsa represente uma parcela maior da população economicamente ativa, algo entre 5% e 10%.

Para que o número seja atingido, ações de educação financeira e assessoria ao investidor serão fundamentais. Acreditamos muito no retorno advindo de cursos, palestras e incentivos dados através de mecanismos de ensino e educação.

2. Depois de cerca de cinco anos com altas expressivas, muitos concordam que resultados daquele tipo não virão tão rapidamente. Qual a expectativa do Link Trade para a evolução da bolsa de valores e do investimento em ações?
R: É importante lembrar que praticamente todo movimento de mercado é guiado pelas perspectivas futuras, levando em conta a economia nacional e mundial. Os cinco anos de grande alta na bolsa foram anos de um crescimento mundial muito robusto e sincronizado. A economia como um todo cresceu de maneira muito estruturada, em alta velocidade, e a bolsa refletiu este movimento.

Consideramos que a dinâmica do crescimento das economias mundiais seguirá ditando o ritmo dos investimentos, mas a velocidade das mudanças deve se reduzir. A crise atual é severa, principalmente por se tratar de uma crise de crédito – que afeta praticamente todos os setores da economia. Nossa expectativa é de um crescimento lento, sem a pujança demonstrada nos “anos dourados” da bolsa a que você se referiu.

3. Tudo leva a crer que o cenário de instabilidade persistirá pelo menos nos próximos 6 meses. Ao mesmo tempo em que a crise derrubou o ânimo de alguns investidores (principalmente os iniciantes), criou ótimas possibilidades, graças a ativos com preços abaixo de seu valor justo. Como a Link vê esse cenário de dificuldades e também ótimas oportunidades?
R: Acreditamos que a situação atual nos coloca diante de um ano de oportunidades. Oportunidades, aliás, que aparecem muito raramente. A questão das oportunidades se estende por vários setores e não é um detalhe específico da bolsa de valores. Imóveis, terrenos, empresas fechadas e etc. também estão sendo negociados com preços mais baixos do que os praticados nos últimos anos.

Apesar de haver a possibilidade de vivenciarmos uma correção nos preços, o momento é oportuno para aqueles investidores que vêem na bolsa uma boa alternativa de investimento para o longo prazo. Daqui dez anos muitos investidores poderão olhar para trás e pensar: ‘eu deveria ter começado a investir em 2008, 2009’. Atenção para os setores relacionados à economia doméstica, que podem surpreender. Afinal, o Brasil está relativamente melhor que outros países, com um rumo econômico melhor definido e respeitado e parece que vai sair da crise antes de outras nações. Como destaques estão o sistema financeiro brasileiro, bastante robusto, e a demanda interna crescente.

4. Como é a recomendação e a análise de empresas realizada pelo Link Trade? O que o investidor precisa saber sobre as indicações para investir com segurança e bem informado?
R: Existem duas áreas distintas de análise que se complementam e auxiliam o investidor no momento da decisão: a análise técnica e a análise fundamentalista. O setor de renda variável tem profissionais que cuidam de traduzir as informações mais técnicas e específicas em relatórios de fácil leitura, que são compartilhados com os investidores e ficam à disposição também no site.

Como achamos muito importante que o investidor tenha acesso aos profissionais de mercado, optamos por criar um chat (diário e semanal para análise técnica e fundamentalista) e um fórum de análise técnica, espaços onde o interessado pode enviar dúvidas e manter contato direto com pessoas que atuam diretamente na bolsa.

5. O que o investidor deve levar em consideração para escolher em que corretora operar? Que aspectos devem ser observados com mais atenção e onde os sistemas de home broker realmente se diferenciam?
R: O principal fator que o investidor deve considerar é a disponibilidade de conteúdo e ferramentas no site e no sistema de home broker da corretora. É fundamental que a corretora tenha opinião a respeito das empresas e dos momentos do mercado e não fique apenas repassando notícias, o que vai colaborar para que o investidor também crie seu próprio julgamento.

O atendimento é outro ponto que merece destaque, ainda que com o home broker o investidor possa decidir-se sem conversar com a corretora. É importante que existam ferramentas e espaços para a opinião do cliente no site e que os profissionais da corretora sejam pessoas acessíveis.

6. O investimento em ações deve ser uma alternativa considerada por todo investidor que planeja seu futuro e pensa no longo prazo? Por que?
R: Sem dúvida, mas também pode ser uma alternativa para curto e médio prazo. O mercado traz oportunidades para todo tipo de investidor, mas é preciso que sua decisão seja tomada com o suporte da corretora e dentro de seu planejamento pessoal. Os objetivos e os limites de cada um precisam ser respeitados e a corretora precisa saber incorporá-los ao seu jeito de fazer negócios.

7. Os serviços adicionais de educação financeira, como cursos, palestras e workshops, atraem o investidor e são úteis para desmistificar o investimento em bolsa? Ainda é grande a resistência do brasileiro neste sentido?
R: Nós acreditamos muito no poder do conhecimento, disseminado através da boa informação. . Do contrário, o cliente pode facilmente desistir do mercado de ações e procurar outro tipo de investimento. Pensamos que a educação financeira é fundamental para a formação do investidor, o que não significa apenas captar novos clientes, mas também oferecer cada vez mais e melhor conteúdo/conhecimento para quem já está investindo.

O investidor pode e deve ser abordado através de forma presencial, através de cursos, palestras e workshops, mas também pela Internet, através de cursos on-line, podcasts, blogs e ferramentas inteligentes de mídia social – mas sempre de origem e credibilidade reconhecidas. Existem oportunidades de oferecer conhecimento sobre o mercado pelo Brasil, especialmente fora do eixo Rio-São Paulo (responsável por 70% do número de investidores).

Não vemos mais tanta resistência quando o assunto é investir em ações. Com uma economia estável e mais previsível, o brasileiro já percebeu que outros investimentos terão que fazer parte de seu cotidiano de aplicações financeiras. A diversificação é importante em economias estáveis e que apresentam tendência de crescimento, como é o caso do Brasil. A verdade é que o brasileiro, em geral, está curioso para compreender o mecanismo de investimento da bolsa de valores.

8. Que diferenciais o Link Trade oferece, do ponto de vista do pequeno investidor, e que a diferenciam da concorrência?
R: Nosso principal objetivo é ajudar o pequeno investidor a aproveitar o investimento em ações. Neste sentido, oferecemos taxas de operação e corretagem bastante atraentes, mas também suporte total ao processo de tomada de decisão. Queremos que o cliente tenha acesso a relatórios compreensíveis, cursos, palestras, fóruns de discussão e profissionais do mercado. Queremos que a informação seja útil. Como exemplo, citamos os relatórios de análise, onde falamos dos pontos que consideramos ideais para compra e venda de diversos papéis. A corretora e seus profissionais têm sua opinião e querem compartilhar seu conhecimento com seus clientes.

Obrigado Mônica e Marianna pela oportunidade. O assunto é de grande interesse dos leitores e conversas assim “encurtam” a distância entre investidores e seus objetivos financeiros. Aos interessados em conhecer melhor a estrutura da Link, acessem www.linktrade.com.br!

——
Conrado Navarro
, educador financeiro, tem MBA em Finanças e é mestrando em Produção, Economia e Finanças pela UNIFEI. Sócio-fundador do Dinheirama, autor do livro “Vamos falar de dinheiro?” (Novatec),  Navarro atingiu sua independência financeira antes dos 30 anos e adora motivar seus amigos e leitores a encarar o mesmo desafio. Ministra cursos de educação financeira e atua como consultor independente.

Crédito da foto para stock.xchng.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários