Enquanto ainda tenta fechar os cálculos para o orçamento de 2017 caber dentro da meta de déficit fiscal de R$ 139 bilhões, a equipe econômica se reuniu nesta segunda-feira, 15, com o presidente em exercício Michel Temer. O encontro foi para apresentar contas preliminares que, mesmo sem a definição de valores de privatizações, não preveem o aumento de impostos.

A aposta dos ministros é na recuperação da economia e a consequente melhora na arrecadação. Mas os valores do Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2017 só devem ser decididos em um novo encontro no Planalto marcado para o dia 23 deste mês.

Temer esteve por duas horas com o núcleo econômico formado pelo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e pelo ministro interino do Planejamento, Dyogo Oliveira, além do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha. O presidente em exercício tem dado duas orientações principais à equipe: não aumentar tributos e preservar os gastos com Saúde e Educação.

Gosta de vídeos? Aprenda mais: TV Dinheirama – Você no comando do seu dinheiro

Mercado acredita em inflação maior

Após os preços acelerarem em julho, o mercado revisou as projeções para a inflação e elevou a estimativa para o IPCA no fim deste ano, segundo Boletim Focus divulgado nesta segunda-feira (15). Os economistas e instituições financeiras consultados pelo Banco Central também melhoraram a previsão para a retração da atividade econômica em 2016.

A pesquisa semanal mostrou que a perspectiva para a inflação passou de 7,20% para 7,31%. Para 2017, foi mantida em 5,14%, e, em 2018, a expectativa é que permaneça no centro da meta do governo, que é de 4,5%.

O aumento da projeção ocorre após o IPCA de julho acelerar em relação a junho, pressionado por alimentos. O índice fechou o mês com avanço de 0,52%. No ano, acumula alta de 4,96%, enquanto em 12 meses é de 8,74% —acima do teto da meta do governo, que é de 6,5%

Leitura recomendada: Conta digital: livre-se das altas taxas cobradas pelos bancos

Vendas do Dia dos Pais decepcionam comércio

As vendas do comércio para o Dia dos Pais caíram 5,2% na comparação com a mesma data no ano passado no País, mostra levantamento da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). No ano passado, já havia sido observado um recuo interanual de 0,8% no resultado.

Segundo a instituição responsável pelo levantamento, os resultados mostram que o Dia dos Pais teve um desempenho em linha com as outras datas comemorativas e não trazem boas notícias ao varejo. “As esperanças de que a data fosse indicar algum grau de recuperação (ou de resultados menos ruins) não se confirmou, apesar da melhoria da confiança do consumidor e do empresário”, diz nota da Boa Vista SCPC.

As vendas a prazo caíram 7,15% este ano na comparação com 2015, segundo pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). Em 2015 a queda na mesma base de comparação havia sido ainda maior, de 11,21%.

Mercado Financeiro

O mercado financeiro acompanha os últimos passos políticos que antecedem o julgamento do impeachment da Presidente afastada Dilma Rousseff, marcado para o próximo dia 25.

O Ibovespa, principal benchmark da Bolsa de Valores de São Paulo, as 11h40, operava em baixa de -0,51% com 58.843 pontos, o dólar também em baixa de -0,21%, negociado a R$ 3,18.

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil/Fotos Públicas

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários