Como anda o seu hábito de leitura? Quantos livros você já leu neste ano? E será que você costuma reler alguns dos bons livros que leu lá atrás para tentar buscar novas lições e significados? Às vezes eu faço isso.

Acredito que quando temos um bom livro em mãos, ele deve ser consultado muitas e muitas vezes, e é tão interessante quando notamos que o mesmo livro, a mesma história, pode nos ensinar coisas tão diferentes dependendo da fase da vida em que estamos vivendo, não é mesmo?

Pois bem, nestes últimos dias resolvi dar uma mexida na estante de casa para rever alguns daqueles livros que em algum momento tinham tido grande importância em meu caminho. E achei um, que me foi dado de presente pela mãe de um ex-namorado, justamente na fase em que eu estava prestes a abrir minha agência de comunicação e realmente muito focada na carreira. O nome é: Mulheres Ousadas chegam mais longe, e foi escrito por Lois P. Frankel, presidente da Corporate Coaching International.

O livro trata de 101 erros inconscientes que atrapalham a carreira das mulheres, mas acredito que muitos desses erros também acabam sendo cometidos pelos homens, e é por isso que separei 5 deles para refletirmos a seguir, independente de gênero. Vamos lá?

1 – Trabalhar demais

No livro, a autora cita o ditado que diz que “as mulheres precisam trabalhar duas vezes mais para provar que têm a metade da competência dos homens”, mas começa a avaliar que, na verdade, ninguém consegue uma promoção apenas pelo fato de trabalhar duramente, é preciso ter senso de oportunidade, raciocínio estratégico, rede de relacionamentos e talento, entre outros predicados. É por isso que, independente de gênero, é preciso estabelecer limites para as horas de trabalho e se permitir “desperdiçar” alguns minutos no horário do expediente para cultivar bons relacionamentos. A dica da autora é que as pessoas determinem as tarefas a serem cumpridas logo no início dia para evitar interromper um trabalho prioritário para atender aqueles que acabam de “pousar” na mesa.

2 – Fazer o trabalho dos outros

A tendência de assumir o trabalho dos outros, que a autora acredita ser algo muito comum entre as mulheres, é um comportamento prejudicial, pois não há tempo de se construir carreira quando tudo que acontece é ficar cobrindo responsabilidades alheias, entende? Para evitar este tipo de coisa a primeira dica é rejeitar o sentimento de culpa por dizer “não”. Depois, o ideal é não se oferecer voluntariamente na execução de tarefas rotineiras e de pouca expressão, pois elas só causam perda de tempo que poderia ser investido de outra forma. E finalmente, se alguém quiser delegar tarefas que não são suas, simplesmente explique que adoraria ajudar, mas está realmente com muito trabalho.

3 – Calar-se

Já escrevi outras vezes sobre momentos em que é necessário calar e momentos em que é necessário falar. No ambiente corporativo, o grande desafio será encontrar equilíbrio entre essas coisas e aprender a discordar, quando preciso, sem ser desagradável. O segredo, neste caso, é ouvir com atenção a outra pessoa antes de dar uma opinião embasada em argumentos. Também vale se esforçar para dizer o que pensa mais frequentemente sempre que houver oportunidade. Outro ponto é com relação a perguntas. Muita gente não pergunta por medo de parecer ignorante, mas, como a autora ressalta, é muito melhor perguntar do que executar o trabalho de forma errada.

4 – Falar muito de coisas pessoais

É claro que falar sobre coisas pessoais é necessário e torna todos mais humanos, mas é preciso escolher com cuidado os assuntos e as pessoas a quem vamos confiá-los. E quando um problema pessoal influenciar negativamente o seu desempenho, a autora recomenda que é preciso usar honestidade, mas também ser breve. Basta dizer: “Estou atravessando uma crise pessoal muito dura, mas o trabalho é importante para mim. Vou prestar mais atenção nos detalhes”. O que você acha, faz sentido?

5 – Negar a importância do dinheiro

Finalmente, o último ponto que separei tem a ver com dinheiro. Se você ama o que faz, saiba que a vocação e um bom meio de ganhar dinheiro não deveriam ser coisas excludentes. “A verdade é que você consegue as coisas nas quais concentra seus esforços e energias. Se seu salário não for justo e você não receber o aumento que merece, está na hora de se concentrar mais no fator dinheiro.”, explica a autora. E como fazer isso? Primeiramente, ela recomenda que seja feita uma pesquisa de níveis salariais e valores pagos a seu cargo ou atividade que exerce. Eu acrescentaria que é preciso avaliar os impactos positivos que você vem trazendo à empresa com seu trabalho. Junte os pontos e tente negociar um valor mais justo. Além disso, é claro, aprenda a lidar melhor com o dinheiro que recebe procurando entender mais de educação financeira e investimentos. E para isso, é claro, você pode contar com a gente!

Janaína Gimael
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários