A formação de uma geração que possa mudar este país passa necessariamente por avanços na educação, a partir da base. Não que apenas a escola seja responsável por toda formação, mas sua relevância é fundamental neste processo.

Neste sentido, muito mais do que apenas repassar conteúdos e conhecimentos, a escola deve preparar seus alunos para o mundo cada vez mais desafiador e célere em proporcionar mudanças.

Para isso, precisamos que conceitos ideológicos sejam ensinados de forma independente, lembrando que aspectos de comportamento também precisam fazer parte de uma discussão ampla, em que a escola pode (deve) ter papel de maior destaque.

Infelizmente, não é o que presenciamos no Brasil de hoje. O modelo baseado nas ações de memorização faz com que gerações sejam bombardeadas com conceitos equivocados sobre a importância do dinheiro na sociedade.

Os resultados desses atos, somados à negligência do tema no ambiente familiar, é a formação de pessoas sem a mínima consciência financeira e que durante boa parte da vida se envolverão em problemas ligados às finanças, prejudicando sua qualidade de vida.

A escola deveria ser pensada para preparar as crianças para os desafios da vida e parar de mantê-las como parte de um modelo que ao longo dos anos tem se mostrado ineficiente. Neste contexto, a utilização da educação financeira como matéria de discussões e debates seria importante.

Leitura recomendada: Educação Financeira nas escolas? Só funciona com a participação dos pais

Muito mais do que apenas lidar com dinheiro, a educação financeira trata de uma série de valores, que são fundamentais para formar pessoas que consigam analisar questões importantes para o país sem se acomodar com a mediocridade comum para tantos nos dias atuais.

Educação financeira na escola é muito mais do que falar sobre dinheiro

Além de melhorar consideravelmente a vida das pessoas, a educação financeira permite um fator ainda mais importante: a busca pela (real) liberdade.

Quem não aposta em medidas de consumo consciente e escolha de bons investimentos dificilmente alcançará a liberdade de fato, pois estará constantemente dependendo de outras pessoas e do sistema.

Acredito que a escola deve ter como missão preparar seus alunos para viverem na plenitude de suas vidas e, assim, a liberdade deveria ser uma das metas principais. Além disso, existem outros valores, cada vez mais importantes, que são ensinados de maneira indireta pela educação financeira:

  • Planejamento: educação financeira é sinônimo de planejamento. Sem ele, é impossível atingir patamares mais elevados de qualidade financeira. Saber planejar é algo importante para todas as atividades. Quem sabe de fato planejar, levando em conta as variáveis, o ambiente e as metas a serem atingidas, faz do sucesso algo natural. A educação financeira mostra que boas escolhas, controles bem feitos e foco fazem toda a diferença;
  • Disciplina: é comum ouvirmos amigos e pessoas próximas taxarem a atual geração de indisciplinados. Pois bem, se a disciplina não for exaltada e trabalhada já na juventude, os novos adultos acabarão por criar desculpas para justificar seus fracassos. A educação financeira mostra de maneira muito clara e palpável o poder que a disciplina tem em nossas vidas. Gosto de ver a educação financeira e a prática de esportes como formas eficientes de ensinar aos mais novos como a disciplina é fundamental para o sucesso. Oferecer às crianças maior espaço para esses temas nas escolas seria importante para que as novas gerações alcançassem resultados melhores;
  • Saber eleger prioridades: quem acompanha um jovem no dia a dia percebe que, em geral, eles têm dificuldades em eleger prioridades – é normal buscarem diversos objetivos de uma vez e, muitas vezes, não conquistarem nenhum deles. A educação financeira mostra como é fundamental definirmos muito bem nossas prioridades. Ao mostrar de maneira direta aos mais jovens que eles podem optar por consumir com consciência e construir com inteligência a independência financeira, fica claro que prazeres momentâneos podem prejudicar objetivos realmente importantes, inclusive no longo prazo.

Conclusão

Além destes fatores, ainda temos a utilização da educação financeira durante toda a vida. Estima-se que usamos menos de 10% dos conteúdos aprendidos na escola durante nossa vida. Se aprendêssemos mais sobre algo que usamos todos os dias, como a educação financeira, poderíamos construir um país muito melhor.

O tema é realmente polêmico e muitos acreditam que para chegar nesse objetivo seriam necessárias diversas transformações importantes, inclusive e principalmente na formação e apoio irrestrito dos professores, profissionais tão importantes e pouco valorizados pela sociedade de forma geral.

Leitura sugerida: 3 Maneiras de arruinar o futuro de seu filho

Temos grandes desafios para construirmos o país que sonhamos, muitas áreas importantes precisam ser olhadas com mais carinho – neste sentido, certamente uma reforma educacional teria espaço, desde que ao lado de conceitos que envolvam excelência e competitividade.

O fato é que a educação financeira, mesmo longe da maioria das escolas, continua transformando vidas! Ficamos felizes e orgulhos em oferecer, aqui no Dinheirama, um espaço democrático e gratuito para este aprendizado, colocando cada vez mais a educação financeira ao alcance de todos.

Foto “Teaching”, Shutterstock.

Ricardo Pereira
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários