Home Economia e Política Espanha, Irlanda e Noruega reconhecem Estado palestino

Espanha, Irlanda e Noruega reconhecem Estado palestino

Os três países disseram esperar que sua decisão estimule outros países da União Europeia a seguir o exemplo

por Reuters
0 comentário

Espanha, Irlanda e Noruega reconheceram oficialmente um Estado palestino nesta terça-feira, apesar da reação irada de Israel, que está cada vez mais isolado após mais de sete meses de conflito em Gaza.

Madri, Dublin e Oslo disseram que procuraram acelerar os esforços para garantir um cessar-fogo na guerra de Israel contra o Hamas em Gaza. Os três países disseram esperar que sua decisão estimule outros países da União Europeia a seguir o exemplo.

“É a única maneira de avançar em direção ao que todos reconhecem como a única solução possível para alcançar um futuro pacífico, um Estado palestino que viva lado a lado com o Estado israelense em paz e segurança”, disse o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, em um discurso televisionado.

A Espanha estava reconhecendo um Estado palestino unificado, incluindo a Faixa de Gaza e a Cisjordânia, sob a Autoridade Nacional Palestina, com Jerusalém Oriental como sua capital, afirmou ele.

A medida significa que 146 dos 193 Estados-membros das Nações Unidas agora reconhecem um Estado palestino, disse o ministro das Relações Exteriores da Espanha, José Manuel Albares, nesta terça-feira.

A Autoridade Palestina, que exerce um governo autônomo limitado na Cisjordânia sob ocupação militar israelense, saudou a decisão.

Sánchez disse que Madri não reconheceria nenhuma mudança nas fronteiras pré-1967, a menos que ambas as partes concordassem.

O Departamento de Relações Exteriores da Irlanda afirmou na semana passada que transformaria seu escritório de representação em Ramallah, na Cisjordânia, em uma embaixada, nomearia um embaixador e elevaria o status da missão palestina na Irlanda para uma embaixada.

“Queríamos reconhecer a Palestina no final de um processo de paz, no entanto, fizemos esse movimento junto com a Espanha e a Noruega para manter vivo o milagre da paz”, disse o primeiro-ministro irlandês, Simon Harris, em um comunicado.

Israel condenou repetidamente a decisão. O governo israelense afirma que a medida reforça o Hamas, grupo militante islâmico que liderou o ataque mortal de 7 de outubro contra Israel, o qual desencadeou a guerra na Faixa de Gaza, governada pelo Hamas.

“Sánchez, quando você… reconhece um Estado palestino, você é cúmplice do incitamento ao genocídio contra o povo judeu e dos crimes de guerra”, escreveu o ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, no X nesta terça-feira.

Opinião dividida

Dos 27 membros da União Europeia, Suécia, Chipre, Hungria, República Tcheca, Polônia, Eslováquia, Romênia e Bulgária já reconheceram um Estado palestino. Espera-se que a Eslovênia aprove o reconhecimento na quinta-feira e Malta disse que está considerando a medida.

Reino Unido e Austrália disseram que estão considerando o reconhecimento, mas a França, membro da União Europeia, afirmou que agora não é o momento, enquanto a Alemanha se juntou ao mais firme aliado de Israel, os Estados Unidos, na rejeição de uma abordagem unilateral, insistindo que uma solução de dois Estados só pode ser alcançada por meio do diálogo.

A Noruega, que preside o grupo internacional de doadores para os palestinos, até recentemente seguia a posição dos EUA, mas perdeu a confiança de que essa estratégia funcionaria.

Tradicionalmente, os espanhóis têm se inclinado para os palestinos. Desde que Israel iniciou sua ofensiva em Gaza em resposta ao ataque de 7 de outubro, o número de espanhóis que apoiam uma solução de dois Estados aumentou de 40% em 2021 para 60% em abril, de acordo com uma pesquisa do Real Instituto Elcano.

O conflito já matou mais de 36.000 palestinos, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza. Israel diz que o ataque de 7 de outubro, o pior em seus 75 anos de história, matou 1.200 pessoas, e mais de 250 reféns foram feitos.

Israel reagiu à medida de reconhecimento chamando de volta seus embaixadores de Madri, Oslo e Dublin e convocando os embaixadores dos três países para assistirem a vídeos de israelenses sendo tomados como reféns por homens armados do Hamas.

Também impediu a Espanha de fornecer serviços consulares aos palestinos na Cisjordânia e acusou a Espanha de ajudar o Hamas. Em resposta, a Espanha intensificou as críticas, descrevendo o conflito em Gaza como um “verdadeiro genocídio”.

Dinheirama

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.