Estratégia para comprar dólar e gastar menosQuem viaja para o exterior com frequência sabe que é preciso comprar uma quantia de dólares para gastos menores do dia a dia. No entanto, quem está com viagem marcada tem se assustado com as recentes oscilações no dólar. “Será que vale a pena comprar agora ou o melhor é esperar?” tem sido uma dúvida recorrente.

Segundo a maioria dos especialistas, a dica é comprar moeda de acordo com a data da viagem. Por exemplo, quem tem viagem marcada para daqui a algumas semanas deve fazer a compra de forma gradual.

Já quem vai viajar em menos de 15 dias deve comprar a moeda agora, de uma vez só. O dólar comercial fechou a sexta-feira cotado a R$ 2,133. Durante o dia, a moeda chegou a atingir R$ 2,15.

Para combater tais oscilações, o governo zerou o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) cobrado de estrangeiros que aplicam em renda fixa no Brasil. A alíquota em vigor era de 6%.

Planejamento para gastar menos

O planejamento em finanças pessoais é um ponto muito importante para atingir objetivos reais. No caso da compra de dólares, o planejamento deve acontecer com meses de antecedência, como apontam os especialistas.

A sugestão é comprar moeda estrangeira aos poucos, começando pelo menos seis meses antes da viagem. Dessa maneira evita-se correr riscos em cenários como o atual, pois o consumidor terá tempo de sobra e poderá fazer o câmbio quando as cotações estiverem mais baixas.

Samy Dana, professor e economista da FGV, mostra a vantagem da compra gradual. Se o consumidor comprar US$ 2.000 em dinheiro com a cotação a R$ 2,15, por exemplo, ele vai gastar, no total, R$ 4.316,34.

Se esse mesmo consumidor tivesse comprado metade dos US$ 2.000 quando a cotação estava em R$ 2,10 e a outra metade com a cotação em R$ 2,15, o gasto total final seria menor, de R$ 4.266,15 (uma diferença de R$ 50,19 a menos). Isso porque, na média, o consumidor terá pago uma cotação de R$ 2,13 pela moeda.

Gasto com a compra de dólar em diferentes cenários

ExemploCotação média do dólarGasto com IOF*Gasto total
De uma só vez, com o dólar a R$ 2,15R$ 2,15R$ 16,34R$ 4.316,34
Em duas vezes, com o dólar a R$ 2,10 e R$ 2,15R$ 2,13R$ 16,15R$ 4.266,15
Em três vezes, com o dólar a R$ 2,05, R$ 2,10 e R$ 2,15R$ 2,10R$ 15,96R$ 4.215,96

* Considerando-se IOF de 0,38% cobrado na compra de moeda em dinheiro e no carregamento de cartão pré-pago

Fonte: Samy Dana/FGV

“Se você deixar para comprar o dólar na última hora, pode se dar muito bem, caso a moeda caia, mas também pode se dar muito mal, se ela subir. Comprando dólar aos poucos, é possível minimizar o risco”, aponta Dana.

O planejamento, então, depende do prazo até a data da viagem. Quem vai viajar daqui um mês, por exemplo, pode comprar metade agora e a outra metade uma semana antes do embarque. Quem tem 45 dias pela frente pode fazer a compra em três momentos.

Compra imediata é melhor para viagem próxima

O brasileiro que tem viagem marcada para os próximos 15 dias já falhou por não ter se planejado. Nessas condições, a melhor opção para minimizar riscos de oscilações é comprar dólar agora.

“O custo de risco do câmbio é elevado. Se a viagem está em cima da hora, então a pessoa já errou por não ter se prevenido”, diz Michael Viriato, professor de finanças do Insper.

“Não se espera que o dólar chegue a R$ 2,30 ou R$ 2,50, mas no curto prazo ainda podem ocorrer oscilações. Para quem não fez a compra ainda, o menor risco é fazer isso agora”, completa o professor.

Por fim, uma estratégia complementar à compra imediata de moeda estrangeira é dada pelo professor de finanças Marcos Crivelaro, da Fiap. Segundo ele, comprar alguma moeda agora e deixar gastos para serem feitos no cartão de crédito durante a viagem também pode ser interessante.

Dessa maneira, o consumidor pode ser beneficiado com uma cotação mais baixa na hora de pagar a fatura, se a expectativa for de queda no preço da moeda.

Fonte: UOL. Foto de freedigitalphotos.net.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários