Home Economia e Política EUA acusa China sobre Ucrânia e alertam para novas sanções

EUA acusa China sobre Ucrânia e alertam para novas sanções

No mês passado, os EUA impuseram sanções contra 20 empresas sediadas na China e em Hong Kong, após repetidos alertas de Washington

por Reuters
0 comentário

Os Estados Unidos acusaram a liderança da China nesta quarta-feira de apoiar a guerra da Rússia na Ucrânia e alertaram que, em resposta, Pequim pode sofrer novas sanções norte-americanas e de outros países da Otan

Falando com repórteres em uma visita a Bruxelas, o vice-secretário de Estado dos EUA, Kurt Campbell, disse que era urgente a necessidade de países europeus e da Otan “enviarem uma mensagem coletiva de preocupação à China pelas suas ações, que consideramos desestabilizadoras no coração da Europa”. 

O governo Biden intensificou seus alertas sobre o apoio da China à Rússia e emitiu um decreto que ameaçou sanções contra instituições financeiras ajudando a Rússia a driblar sanções ocidentais. 

Campbell afirmou que transmitiu as preocupações dos EUA ao principal órgão político de tomada de decisão da Otan, o Conselho do Atlântico Norte. 

Ele disse que o apoio Chinês está ajudando Moscou a reconstituir elementos do seu Exército, incluindo capacidades de mísseis de longo alcance, artilharia e drones, e sua habilidade de monitorar movimentos no campo de batalha. 

“O que vimos da China para a Rússia não é um caso isolado ou algumas empresas rebeldes envolvidas em apoiar a Rússia”, disse Campbell.

“Trata-se de um esforço abrangente e sustentado que é apoiado pela liderança da China com o objetivo de dar à Rússia todo o apoio nos bastidores.” 

No mês passado, os EUA impuseram sanções contra 20 empresas sediadas na China e em Hong Kong, após repetidos alertas de Washington sobre o apoio da China às Forças Armadas da Rússia. 

Após estas medidas, a embaixada da China em Washington afirmou que Pequim supervisiona a exportação de artigos de dupla utilização em conformidade com a legislação e a regulamentação e que as interações comerciais e econômicas normais entre a China e a Rússia estão em conformidade com as regras da Organização Mundial do Comércio e os princípios do mercado.

Campbell não quis dar pormenores sobre as medidas a serem tomadas posteriormente, mas afirmou: “Penso que teremos de enviar um sinal claro e inequívoco a Pequim de que as medidas que a China está tomando são perigosas para a estabilidade a longo prazo na Europa”.

Dinheirama

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.