Home Economia e Política EUA precisam lidar com dívida, apesar de crescimento robusto, diz FMI

EUA precisam lidar com dívida, apesar de crescimento robusto, diz FMI

"A economia dos EUA tem se mostrado robusta, dinâmica e adaptável às mudanças nas condições globais"

por Reuters
3 min leitura

O Fundo Monetário Internacional (FMI) pediu nesta quinta-feira aos Estados Unidos que aumentem os impostos para conter o aumento dos níveis de endividamento, ao mesmo tempo em que aplaudiu o crescimento “robusto e dinâmico” da economia norte-americana e o progresso no sentido de colocar a inflação sob controle.

O FMI disse, em um comunicado de encerramento de sua revisão do “Artigo IV” das políticas econômicas dos EUA, que os altos déficits e a dívida “criam um risco crescente para a economia global e dos EUA, potencialmente alimentando custos de financiamento fiscal mais altos e um risco crescente para a rolagem suave das obrigações a vencer”.

O comunicado do FMI revisou ligeiramente para baixo sua previsão de crescimento do Produto Interno Bruto dos EUA em 2024, para 2,6%, em comparação com a previsão de 2,7% do relatório Perspectiva Econômica Global da instituição em abril.

O FMI prevê que o crescimento dos EUA em 2025 cairá para 1,9% sem alterações em relação à previsão de abril e permanecerá acima de 2% até o final da década.

“A economia dos EUA tem se mostrado robusta, dinâmica e adaptável às mudanças nas condições globais”, disse o FMI. “A atividade e o emprego continuam a atender às expectativas… e o processo de desinflação tem sido consideravelmente menos oneroso do que muitos temiam.”

O FMI disse que espera que a inflação dos EUA, medida pelo índice PCE, retorne à meta de 2% do Federal Reserve em meados de 2025, consideravelmente mais cedo do que a previsão do próprio Fed de retornar à meta em 2026.

A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, disse a repórteres que a previsão do Fundo é mais otimista porque a trajetória atual da inflação indica um retorno mais rápido à meta, em parte porque os fortes gastos dos consumidores dos EUA, impulsionados pela riqueza acumulada durante a pandemia da Covid-19, estão diminuindo e o mercado de trabalho está desacelerando.

Mas o FMI repreendeu Washington pelos déficits crescentes que, se continuarem, levarão a relação dívida/PIB dos EUA a um nível preocupante de 140% até o final da década.

Em sua conversa com Georgieva, a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, “reiterou a importância de avaliações francas e completas de todas as economias membros do FMI por meio do processo de supervisão anual.

Elas discutiram o desempenho notável da economia dos EUA nos últimos anos, incluindo o crescimento econômico e o emprego que continuam a superar as expectativas.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.