Crise é toda situação de mudança em nível biológico, psicológico ou social, que exige da pessoa ou do grupo um esforço suplementar para manter o equilíbrio. Muitas vezes, quando nos deparamos com uma crise, temos a tendência de nos entregarmos, deixando a mesma nos dominar com medos, inseguranças e estresse.

Mas, será que não podemos olhar para essa crise como uma ocasião de crescimento e novas oportunidades? Costumo dizer que no momento da crise, temos duas opções: apenas aceitar (e paralisar) ou encontrar novos caminhos e crescer.

Qual delas você escolhe? Então, vamos parar de achar que a crise é um ponto final? Toda ação gera uma reação e creio que nenhuma palavra lançada volte vazia. Portanto, quanto mais falamos de crise e de coisas ruins, mais isso prende as nossas vidas e nos impede de enxergar novos (e melhores) horizontes.

Não quero fazer “vista grossa” a tudo que estamos vivendo e enfrentando nesses dias, mas quero encorajar você a agir em vez de só ficar reclamando ou encontrando desculpas e culpados.

Uma curiosidade: há um estudo, chamado “Linha de Losada”, que diz que “é necessário cerca de três experiências, expressões ou comentários positivos para combater os efeitos debilitantes de uma experiência, expressão ou comentário negativo”. Você sabia disso?

Facilmente temos a convicção das nossas crises, mas gastamos pouco tempo para tentar uma solução e criar uma nova oportunidade. Hoje, diante do seu cenário financeiro, como você se sente? Você está sobrecarregado com cada pequeno contratempo ou energizado pelas possibilidades que se abrem?

Leitura recomendadaOportunidades na crise: e se o Brasil não acabar?

Pessoas felizes vivem mais, tem relacionamentos mais duradouros, fazem mais dinheiro, recebem melhores avaliações, ficam menos doentes e são mais altruístas e mais criativas. Você é feliz? Ou sua felicidade depende de fatores externos e que você não controla?

Aqui está a chave para qualquer mudança: você jamais terá uma vida diferente se não encontrar o verdadeiro sentido da sua existência. Você jamais mudará sua vida financeira se não tiver sonhos e projetos de vida bem estabelecidos.

Lembre-se que planejamento financeiro é muito mais do que uma planilha, é mudança de pensamentos e comportamentos; é compromisso consigo mesmo através de prioridades claras e objetivos bem definidos.

Eu desejo que em 2016 você tenha um ano de excelência em todas as áreas, ainda que a crise insista em derrubá-lo e preencha o noticiário. Contra estes momentos complicados busque melhorar a cada dia, sem fugir dos desafios e das dificuldades.

Para enriquecer e ver no dinheiro um aliado para realização de sonhos, é preciso reclamar menos e desfrutar melhor o presente, quem você se tornou e aquilo que você já conquistou e possui.

A crise existe e está entre nós, mas temos uma escolha a fazer: vamos vencer apesar dela ou simplesmente padecer por causa dela? Lembre-se que a “a excelência tem um preço; a mediocridade tem um custo”. Eu prefiro pagar o preço e escolho vencer. E você? Seja feliz e faça diferente! Até a próxima!

Leitura recomendadaProsperidade: Comportamentos que Atrapalham seu Sonho de Ficar Rico

Foto “At the top”, Shutterstock.

Marcio Martins
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários