Home Empresas Exxon comprará rival Pioneer por quase US$ 60 bi em ações

Exxon comprará rival Pioneer por quase US$ 60 bi em ações

A Pioneer é a maior operadora do Permiano, respondendo por 9% da produção bruta, enquanto a Exxon ocupa o quinto lugar, com 6%, de acordo com analistas da RBC Capital Markets

por Reuters
0 comentário
Exxon

 A Exxon Mobil comprará a rival norte-americana Pioneer Natural Resources em um acordo envolvendo apenas ações avaliado em 59,5 bilhões de dólares, que a tornará a maior produtora no maior campo petrolífero dos EUA, garantindo uma década de produção de baixo custo.

O negócio seria o maior da Exxon desde a compra da Mobil Oil por 81 bilhões de dólares em 1998, anos antes do início do boom do xisto, e a maior aquisição deste ano por qualquer empresa.

A Exxon ofereceu 253 de dólares por ação da Pioneer, informaram as empresas na quarta-feira. As ações da Pioneer, que fecharam a 237,41 dólares na terça-feira, subiram 1,1%, a 239,98 dólares, nas negociações do pré-mercado. As ações da Exxon permaneceram estáveis.

A Exxon saiu de um período marcado por perdas profundas e dívidas enormes nos últimos dois anos, cortando custos, vendendo dezenas de ativos e se beneficiando dos altos preços da energia, estimulados pela invasão da Ucrânia pela Rússia.

O preço de 253 dólares por ação representa um prêmio de 9% em relação ao preço médio da Pioneer nos 30 dias anteriores a 5 de outubro, quando surgiram as informações sobre o acordo.

O acordo deixará quatro das maiores empresas petrolíferas dos EUA no controle de grande parte do campo de xisto da Bacia do Permiano e de sua extensa infraestrutura de campos petrolíferos.

Ainda assim, especialistas em antitruste disseram à Reuters, na semana passada, que a Exxon e a Pioneer tinham boas chances de concluir o acordo, embora enfrentassem um exame minucioso. Isso porque elas poderiam argumentar que, mesmo sendo a maior produtora do Permiano, juntas representarão uma pequena fração de um vasto mercado global de petróleo e gás.

O CEO da Exxon, Darren Woods, tem rejeitado a pressão política e de investidores para mudar de estratégia e adotar a energia renovável, como fizeram as grandes petroleiras europeias. Ele enfrentou duras críticas por manter uma estratégia fortemente dependente do petróleo em um momento em que as preocupações com o clima se tornaram mais urgentes.

“As capacidades combinadas de nossas duas empresas proporcionarão uma criação de valor de longo prazo muito superior ao que cada uma delas é capaz de fazer de forma isolada”, disse Woods em um comunicado.

A decisão da Exxon valeu a pena quando a empresa obteve no ano passado um lucro recorde de 56 bilhões de dólares, dois anos depois que as perdas chegaram a 22 bilhões de dólares durante a pandemia da Covid-19.

A Exxon guardou parte dos enormes lucros da alta do preço do petróleo, reservando cerca de 30 bilhões de dólares em dinheiro para se antecipar a acordos, segundo analistas.

A Pioneer é a maior operadora do Permiano, respondendo por 9% da produção bruta, enquanto a Exxon ocupa o quinto lugar, com 6%, de acordo com analistas da RBC Capital Markets.

“A combinação da ExxonMobil e da Pioneer cria uma empresa de energia diversificada com a maior presença em poços de alto retorno na Bacia do Permiano”, disse o CEO da Pioneer, Scott Sheffield.

A Pioneer foi uma das empresas de petróleo mais bem-sucedidas a emergir da revolução do xisto, que transformou os EUA de um grande importador de petróleo no maior produtor mundial em pouco mais de uma década.

A Bacia do Permiano é altamente valorizada pelo setor de energia dos EUA devido ao seu custo relativamente baixo para extrair petróleo e gás, com custos de produção mínimos, em média, de 10,50 dólares por barril.

Sob o comando do CEO Scott Sheffield, a Pioneer cresceu por meio de aquisições rápidas, incluindo negócios de vários bilhões de dólares em 2021 para a DoublePoint Energy e a Parsley Energy.

A compra da Exxon superaria a aquisição de 53 bilhões de dólares do BG Group pela Shell em 2016, que a colocou no topo do mercado global de gás natural liquefeito.

Em julho, a Exxon fechou um acordo de 4,9 bilhões de dólares, totalmente em ações, com a Denbury, uma pequena empresa de petróleo dos EUA com uma rede de dutos de dióxido de carbono e armazenamento subterrâneo. O objetivo dessa aquisição era reforçar os negócios incipientes de baixo carbono da Exxon.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Mail Dinheirama

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.