Quem não quer, ou pelo menos não acha que deveria tentar, se alimentar de forma um pouco mais saudável nos dias de hoje? A julgar pelos números da OAKBERRY Açaí Bowls, a demanda do fast food de alimentação saudável parece estar seguindo de vento em popa no Brasil e no mundo.

Fundada em 2016, a rede já conta com mais de 120 unidades nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Espírito Santo, além lojas nos Estados Unidos e Austrália. Com investimento inicial de R$300 mil, atualmente, a rede fatura em média R$30 milhões por ano e até 2019 o objetivo é que o faturamento seja superior a R$90 milhões. Para entender melhor o negócio, conversamos com Georgios Frangulis, CEO e Fundador da OAKBERRY.

Dinheirama: Georgios, pode nos contar um pouquinho sobre sua trajetória até fundar a OAKBERRY? 

G.F.: Sempre tive muito claro que seria empreendedor. Desde os 17 anos trabalhei no mercado imobiliário e foi esse que me levou até os Estados Unidos, em 2013/2014, e acabou me mostrando que alimentação rápida e saudável era um grande mercado a ser explorado.

Dinheirama: De onde nasceu a ideia de criar uma rede baseada em alimentação saudável?

G.F.: Fiquei por alguns meses na Califórnia, em um período de crise no Brasil, procurando algo que fizesse sentido no mercado americano. Então percebi que havia muitas opções de alimentação rápida e muitas de alimentação saudável; mas pouquíssimas que se propunham a combinar essas duas virtudes mercadológicas. A partir daí, fui atrás de um produto saudável que pudesse ser padronizável e o açaí foi a resposta.

Dinheirama: Já são mais de 100 unidades desde o início da criação da empresa, certo? Qual o segredo do empreendimento?

G.F.: São mais de 120 unidades, entre Brasil, Austrália e EUA, desde a inauguração, em dezembro de 2016, em São Paulo. Não acho que haja um segredo, mas a chave é trabalhar para criar uma marca que seja referência no mercado. A marca é o único ativo da empresa que a diferencia realmente dos concorrentes.

Dinheirama: Como é este mercado fora do Brasil? Qual o retorno nas lojas dos EUA e Austrália?

G.F.: O mercado de alimentação saudável cresce vertiginosamente no mundo todo. Nos EUA e Austrália, o açaí é cada vez mais comum em supermercados, restaurantes e etc. Nossa unidade da Austrália foi uma das melhores inaugurações da rede toda, incluindo Brasil, até hoje. Abriremos mais duas unidades no país no mês de julho. Nos EUA ainda estamos operando em duas unidades de Shopping Center, que terão uma melhora de performance com a abertura das nossas unidades conceito nos próximos 03 meses. Tudo ocorre dentro do esperado.

Dinheirama: Qual o carro-chefe da OAKBERRY em vendas?

G.F.: Nossos bowls de açaí.

Dinheirama: Como empreendedor, qual erro não cometeria de novo?

G.F.: Acho que os erros fazem parte do aprendizado e nos deixam mais preparados para os próximos desafios. E é sempre bom relevar quem fala que seu negócio não vai dar certo.

Dinheirama: E que acertos poderia contar para quem pensa em empreender?

G.F.: Defina uma estratégia clara de crescimento: Como? Quanto? Quando? Onde?
Não escute as pessoas negativas! Se todos tivessem coragem, não haveria mais espaço no mercado. Siga sua intuição. Tente criar uma marca valiosa aos olhos do consumidor, isso é algo que não poderá ser copiado.

Dinheirama: Qual o perfil do franqueado OAKBERRY?

G.F.: Nosso franqueado é quase sempre um consumidor que se sente tão próximo da marca a ponto de querer investir e fazer parte da rede. Ele segue regras, guidelines e acredita na estratégia definida pela franqueadora, além de vestir a camisa da marca e gerir o negócio de perto.

Dinheirama: Quais as perspectivas para os próximos anos?

G.F.: Devemos encerrar esse ano com 190 unidades no Brasil e 15 internacionais. Esperamos chegar a algo próximo de 500 unidades no Brasil até 2023.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários