Home Economia e Política Fed: impacto econômico duradouro das mudanças climáticas

Fed: impacto econômico duradouro das mudanças climáticas

Os pesquisadores usaram estimativas dos cientistas sobre o número de dias por ano em que o trabalho ao ar livre causaria estresse por calor

por Reuters
0 comentário

Um aumento no número de dias quentes à medida que a mudança climática aquece o globo provavelmente prejudicará a economia dos Estados Unidos a longo prazo, de acordo com uma pesquisa publicada nesta terça-feira pelo Federal Reserve de San Francisco.

“Nossas descobertas sugerem que, em um cenário sem esforços em larga escala para reduzir as emissões de carbono, futuros aumentos no calor extremo reduziriam o estoque de capital em 5,4% e o consumo anual em 1,8% até o ano 2200”, escreveu Stephie Fried, economista sênior do Fed de San Francisco, e os coautores Gregory Casey e Matthew Gibson, ambos professores do Williams College.

Os pesquisadores usaram estimativas dos cientistas sobre o número de dias por ano em que o trabalho ao ar livre causaria estresse por calor, que, segundo as estimativas, aumentaria de 22 dias em 2020 para 80 em 2100.

Em seguida, projetaram a provável queda da produtividade da mão de obra na construção civil, onde, ao contrário da maioria dos setores de serviços e manufatura, o ar-condicionado não pode neutralizar o impacto dos dias quentes.

Eles se concentraram na construção porque ela representa uma parcela maior da produção econômica geral e do investimento dos EUA do que outros setores, como agricultura ou mineração, onde os trabalhadores também são vulneráveis ao calor.

“As reduções na produtividade da construção diminuem a acumulação de capital e, portanto, têm efeitos duradouros sobre os resultados macroeconômicos”, escreveram.

Usando um cenário alternativo menos provável, no qual o número de dias de calor extremo aumenta para 125 em 2100, os autores descobriram consequências muito maiores de um declínio na produtividade da construção, com a acumulação de capital projetada para cair 18% e o consumo em 7% em 2200.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.