Festa de 15 anos: problema ou comemoração?O tempo passa depressa… A garotinha cresceu e vai fazer 15 anos, uma tradição onde as jovens começam uma nova fase de sua vida. Essa tradição, iniciada na Europa, tornou-se popular no Brasil na década de 50. Depois, teve uma queda nos anos 80 e de 2000 para cá voltou com força total, reavivando as tradições de vestidos elaborados, valsa e as 15 velas.

As festas de Debutantes movimentam milhões de reais todo ano e aquecem o mercado[bb] das empresas de eventos. Eu já soube de festas que giraram em torno de 30, 50 e até 60 mil reais. A questão crucial a ser discutida aqui é: como a família lida com essa questão em seu cotidiano?

Gostaria que ficasse claro que não sou contra as festas! Meu papel aqui é questionar as infelizes circunstâncias em que muitas delas acontecem e propor um olhar mais real sobre essa data. Isso porque tenho ouvido muitas queixas e preocupações de pais divididos entre “posso, quero ou devo”? Assim, vamos entrar em contato com alguns pontos fundamentais:

Conflitos familiares
As cobranças por uma grande festa de 15 anos são mais comuns do que imaginamos. Tendo muitas amigas comemorando o aniversário com eventos de grande porte, é natural a adolescente sonhar com algo parecido no seu dia.

Caso a família não tenha o hábito de conversar sobre a realidade financeira ou sobre o que pensam sobre esse tipo de festa, esse desejo da filha pode trazer conflitos para todos. Explico: quando os filhos são criados sem a noção do poder aquisitivo dos pais ficará mais complicado administrar os “nãos” e as frustrações.

Falta de planejamento
Esse descuido acaba comprometendo o orçamento da família caso optem pela festa. Geralmente, os pais decidem pelo evento sem terem tido tempo necessário para orçamentos diversos com fornecedores de Buffet, convite, vestido, DJ e etc. A pressa e a euforia “mascaram” os custos.

Endividamento
Com a intenção de realizar uma festa que atenda às altas expectativas da debutante ou dos próprios pais, a solução muitas vezes acaba sendo o empréstimo, algo perigoso quando mal calculado. Lembre-se que a comemoração terá a duração de algumas horas, mas as prestações bancárias estarão em sua planilha por meses!

Seguir modelos
O mais grave é quando a opção pela festa passa pelo desejo de impressionar amigos e/ou familiares. O famoso “não podemos ficar para trás” faz com que se gaste o que não se tem para manter um status[bb] social inexistente.

O interessante nesse cenário é que, se olharmos mais atentamente, as festas acabam perdendo seu sentido mais puro: a comemoração. Será que estarei tendo uma crise de saudade do tempo em que as festas eram mais simples, mais leves, mas muito mais reais e mais divertidas?

Vejo que é preciso ter a noção do comércio que gira em torno de tanta ostentação e ter discernimento para realizar festas dentro da realidade de cada um. É função do mercado de eventos criar necessidades e produções incríveis, mas cabe a nós consumidores encaixar tudo isso dentro do nosso orçamento familiar – isso faz parte da educação financeira.

A doutora em psicologia Laura Quadros diz que os pais não devem fugir da realidade da família para realizar o sonho da filha: “Completar 15 anos é um rito e merece a celebração especial. Mas não recomendo vender um carro para bancar as despesas da festa”. Caso a opção por uma grande festa fique inviável, por que não pensar em algo até mais significativo para todos nessa data especial? Uma viagem, presentes carregados de carinho dado pelos pais e irmãos.

O conselho é o diálogo, onde a realidade pode ser vista com tranquilidade. Nesse momento, os pais precisam estar alinhados em pensamentos e, assim, conduzirem com maturidade as decisões, contando também com a participação dos filhos. Estou certa de que quando as questões financeiras são administradas com carinho e atenção, elas podem criar laços e gerar aprendizados para a vida toda.

Outro fator importante que vale a pena ser reforçado é a atenção com a educação financeira desde cedo. A família precisa ter coerência desde as primeiras festas de seus filhos, pois a crítica feita para as comemorações dos 15 anos também são válidas para muitas festas de 1 aninho. Tem cada coisa por ai…

Não podemos descuidar do que é mais importante: o relacionamento saudável e coerente com nossos filhos. Condutas amorosas para que eles passem pela adolescência[bb] mais felizes e com conflitos existenciais necessários, que irão colaborar com a formação de sua personalidade.

Percebo que, atualmente, a adolescência vem sendo atingida por um alto grau de consumismo aliado à impaciência e ao imediatismo. Infelizmente, constatamos a pouca força dos pais ou responsáveis na formação moral desses jovens – seja por falta de tempo, medo ou desconhecimento de seu papel como educador e formador desse cidadão. Os conflitos sérios com as festas de 15 anos são apenas consequências dessa educação (ou a falta dela).

Você concorda? Vamos discutir mais o tema no espaço de comentários abaixo. Deixe sua opinião. Um abraço e até a próxima!

Foto de sxc.hu.

Avatar
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários