Filho é um assunto que sempre rende muito. E quando falamos de herança, legado, futuro, a coisa vai ainda mais longe!

Desde jovem, muito antes de pensar em casar, eu já tinha claro que a única coisa realmente importante que eu poderia deixar para um filho seria a educação. Não só uma boa escola, mas todo conjunto de exemplos e ensinamentos dentro de casa.

De alguma forma, eu já tinha a ideia de que precisamos “deixar filhos melhores para o mundo, em vez de nos preocuparmos em deixar um mundo melhor para os nossos filhos”. Observando amigos cujos pais eram bem-sucedidos, e, além disso, pessoas equilibradas, logo ficou claro: seus pais levavam muito a sério a educação.

Leitura recomendada: Herança: o que mais importa nesta história de deixar patrimônio para os filhos?

Sem meias medidas e prioridades distorcidas

Escolher a escola dos filhos é uma tarefa árdua. Por isso, modismos e preços não podem ser fatores fundamentais nesse processo. Claro, você não vai escolher também uma escola tão cara que comprometa as finanças da família, mas também não pode procurar a mais barata. Escolha aquela que atende os dois mundos, financeiro e de formação.

É comum pessoas reclamarem que a escola é cara, mas ostentarem um padrão de vida que contradiz essa noção. Esse é um campo nebuloso, afinal, estamos falando de pessoas que que preferem gastar seu dinheiro com frivolidades luxuosas do que com a educação de seus filhos.

Escola cara nem sempre é sinônimo de escola boa. Mas, também, escolher pelo preço para priorizar futilidades pode ser desastroso. Em dado momento, o jovem vai se questionar sobre por quê não foi a uma escola melhor. Afinal, se a família pode ter uma vida com luxos, por que não investir na escola?

Esse comportamento, além de causar desconfiança dentro de casa, pode trazer consequências para o futuro de seus filhos. Afinal, você os estará privando da única coisa que, de fato, fará a diferença no futuro deles.

eBook gratuito recomendado: Invista e Construa o Futuro dos Seus Filhos

Sem preço

A educação tem um valor impossível de se medir e é muito mais importante do que qualquer herança material. Aliás, pessoas mal-educadas tem pouca chance de gerir bem um grande patrimônio herdado.

Isso quer dizer que é muito mais caro não ter a educação adequada. O patrimônio será derretido e, dada a falta de base, não haverá capacidade suficiente para reconstruir qualquer coisa.

Conclusão

Não tenha pudores para investir tempo e dinheiro na educação dos seus filhos. É o melhor investimento que um parental pode fazer. Além do benefício óbvio, você ainda estará ajudando a construir um mundo melhor.

No fim das contas, o tempo e o dinheiro não dedicados a esse fim custarão o dobro (ou muito mais) mais tarde. Com filhos que jamais serão autossuficientes, gastarão além da conta e, além de tudo, não saberão cuidar do patrimônio que herdaram.

Gosta de vídeos? Aprenda mais: TV Dinheirama – Você no comando do seu dinheiro

Pense nisso: nenhuma herança é capaz de superar o valor da educação. Gostou do texto? Então compartilhe e comente. Não se esqueça de assinar nossa newsletter e nos acompanhar em nossos outros canais. Um abraço e até nosso próximo encontro.

Renato De Vuono
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários