Você é casado? Eu sou. Quando olho pelo lado mais racional da coisa, confesso que quando eu me casei a minha vida não sofreu impactos significativos.

Eu gosto de dividir os planos e sonhos de vida com outra pessoa, então não passei por grandes adaptações.

Independente de você ter ou não experiência similar, é fato que o casamento traz consigo uma série de responsabilidades. Traz também deveres e direitos, resguardados inclusive pelo código civil brasileiro.

Ainda assim, para mim foram necessários pouquíssimos ajustes na nova rotina da vida à dois.

Ebook gratuito recomendadoO casamento dos seus sonhos

Por outro lado, quando meu filho nasceu, eu definitivamente não posso dizer que foi a mesma coisa. Ao contrário, os impactos foram grandes!

Até hoje ainda tenho noites de sono interrompidas. A minha gestão de tempo se tornou algo extremamente desafiador. Muitos desejos foram suprimidos, e deram lugar a novas experiências.

Com a rotina intensa de trabalho, não é uma tarefa fácil abrir espaço para atender às demandas (quase sem fim) de uma criança. Já que o tempo não muda, a questão passa a ser a priorização das atividades.

E não há dúvidas: educar um filho é algo prioritário. Está entre os deveres daqueles que constituem uma família. Num turbilhão de pensamentos e estratégias, que se alternam entre a razão e a emoção, nem sempre conseguimos ter sucesso nesta tarefa de educar.

O exemplo dos pais e a relação trabalho e dinheiro

As palavras e as instruções são muito importantes, mas fixação vem mesmo é pelo exemplo. Os filhos são imitadores dos pais. Se falhamos em sermos coerentes com aquilo que queremos ensinar, as chances de aprendizado e aplicação serão mínimas.

Nos assuntos relacionados ao dinheiro, não é diferente. Os filhos vão crescendo, e estão sempre de olho na forma como lidamos com isso.

Desde pequenos eles aprendem que há uma relação entre o dinheiro (ou os cartões de débito e crédito) com a satisfação dos desejos.

O problema é que na medida que crescem, eles precisam aprender que o dinheiro está profundamente associado ao trabalho. Mesmo as pessoas que já alcançaram a independência financeira, precisam trabalhar para cuidar do seu patrimônio.

Elas precisam ficar atentas aos seus investimentos e negócios, pois a economia é dinâmica, e frequentemente precisam ajustar alguma coisa para que continuem extraindo renda dos seus negócios e aplicações financeiras.

Webcurso gratuito recomendadoTudo o que você precisa saber sobre Tesouro Direto

Ensinar essa relação entre trabalho e dinheiro aos filhos é algo fundamental, pois mais cedo ou mais tarde, eles terão que aprender. Mas se aprenderem cedo, e do jeito certo, eles terão vantagens competitivas muito interessantes em relação aos seus colegas:

  • Visão empreendedora,
  • valorização do esforço e do tempo,
  • responsabilidade no uso dos recursos financeiros,
  • mentalidade orientada ao planejamento,
  • definição de objetivos para alcançar os sonhos.

Estas são apenas algumas dessas vantagens, e quanto mais cedo forem exercitadas, maiores serão as chances dos filhos enxergarem o dinheiro da forma correta: como um instrumento de melhoria da qualidade de vida.

Algumas dicas para você ajudar seus filhos

Gravei um vídeo que trata destas questões relacionadas ao equilíbrio da relação filhos x trabalho x dinheiro. Nele deixo alguns insights baseados nas trocas de experiências com colegas e amigos.

Convido você a assisti-lo para complementar a ideia deste texto:

(Clique aqui para ver o vídeo)

Espero que tenha gostado, e mais que isso, que as dicas tenham sido úteis. Aproveite para conferir outros vídeos da equipe Dinheirama em nosso canal do Youtube clicando aqui. Um grande abraço e até a próxima!

Giovanni Coutinho
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários