Dinheiro é um tema que provoca boa parte dos problemas de relacionamento entre casais. Uma recente pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revelou que 16,7% dos brasileiros casados declaram que a maneira como eles gastam o próprio dinheiro é motivo de briga dentro de casa.

De acordo com o estudo, o percentual de casos de conflitos aumenta para 22,7%, quando analisados somente os casais inadimplentes, ou seja, aqueles que estão com contas em atraso.

Ao analisar apenas os entrevistados que estão adimplentes – sem nenhuma conta em atraso – o percentual cai para 10,7%. Já outro levantamento do Serasa aponta que apenas 3% dos consumidores afirmam ser transparentes e honestos financeiramente com o parceiro.

De acordo com especialistas, casais endividados, sem controle de gastos e que não conseguem concretizar seus objetivos por questões econômicas são mais propensos ao divórcio, já que perdem muito tempo com as contas do lar e deixam de lado o campo amoroso.

Dessa forma, manter as finanças saudáveis é fundamental para a sobrevivência do casamento. Para isso, a recomendação é que o casal dialogue sobre o assunto.

Leitura recomendada: 3 Dicas para manter a vida financeira e o casamento em dia

Se o tema dinheiro causar muita tensão ou gerar muita expectativa, crie um clima tranquilo, escolha o momento ideal e torne isso um hábito”, ensina Rogério Olegário do Carmo, consultor financeiro e diretor da Libratta.

Segundo a planejadora financeira e sócia da Moneyplan Angela Nunes Assumpção, a falta de organização do orçamento é um dos erros mais comuns cometidos pelos casais.

Uma boa orientação é estabelecer objetivos a serem atingidos, o quanto será preciso para alcançá-los e em que prazo. “Assim, é possível visualizar qual esforço financeiro será necessário”, diz Angela.

Outro pecado, na opinião do consultor da Libratta, é praticar a “infidelidade financeira”, que pode ser compreendida como o ato de esconder do parceiro as decisões financeiras e o próprio comportamento diante do dinheiro.

Alguns exemplos: não compartilhar planos; esconder despesas, compras, dívidas, investimentos e seguros; e disfarçar comportamentos destrutivos como compulsão por compras, desorganização financeira e desprezo pelo dinheiro.

Leitura recomendada: Casamento e finanças: 3 pontos para não acabar com o amor

Ao contrário do que se imagina, não apenas a falta de dinheiro gera brigas, mas o excesso também. Em alguns casos, quando a renda do casal é muito alta, eles não conseguem chegar a um consenso sobre a melhor forma de administrar os recursos da família.

Para resolver esse conflito, Angela Nunes Assumpção, da Moneyplan, recomenda que o casal estabeleça objetivos comuns para a vida a dois. Dessa forma, é possível apontar os pontos negativos e positivos dos gastos mensais e trabalhar em conjunto para planejar metas de longo prazo como uma viagem, a troca do carro, uma reforma na casa, entre outros.

Gastadores e poupadores podem ser felizes juntos?

Afinal, qual a solução quando os perfis são opostos? Nesse caso, um comportamento desastroso é criticar e desqualificar o modo como o outro trata a questão.

Para Cleide Bartholi Guimarães, psicóloga e autora do livro “Até que o Dinheiro nos Separe – a questão financeira nos relacionamentos”, a melhor saída é ouvir com atenção o que cada um considera, pensar para responder o que acha, sem invalidar a posição do outro.

“Ao reconhecer a posição de seu parceiro, o casal pode optar por fazer pequenos testes, ora um ora outro usa o seu estilo e acompanham os resultados. Há casos que não é possível fazer isso, então a criação de consensos é decisiva nessa hora”, ressalta Cleide.

A especialista afirma que a convivência de alguém que prefere ser poupador com alguém que seja gastador pode criar formas de convívio positivas se um validar o outro e se esforçarem para entender e se ajustarem as preferências e necessidades do companheiro, sem com isso achar que está renunciando algo.

Segundo Rogério Olegário do Carmo, da Libratta, é muito interessante quando o casal possui perfis diferentes, pois um poderá ajudar o outro a convergir para o equilíbrio.

“Imagine um casal onde ambos são gastadores, isso normalmente leva ao desastre. Por outro lado, um casal onde ambos são poupadores pode-se não permitir que a vida tenha prazer. O ideal é usar o dinheiro com equilíbrio, afinal, ele também foi feito para gastar, segundo os critérios e valores de cada família”, conclui Rogério.

Recentemente, Conrado Navarro, idealizador e fundador do Dinheirama, gravou um vídeo falando exatamente sobre casamento e dinheiro, oferecendo algumas sugestões para evitar desgastes e construir uma família unida e capaz de atingir seus sonhos. Assista:

Foto “Love or money”, Shutterstock.

Isabella Abreu
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários