A agência Fitch cortou a nota do país de BB+ para BB, dois degraus abaixo do grau de investimento, e com viés negativo. Dessa forma, a agência deixou clara a perspectiva de uma nova queda.

Esse foi o terceiro rebaixamento do Brasil apenas este ano – as agências Standard & Poor’s e Moody’s já haviam feito o mesmo em Fevereiro. Mas, diferentemente do que fez nas duas quedas anteriores em sua gestão, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, preferiu não comentar o rebaixamento.

A decisão da Fitch fez o Brasil retroceder ao mesmo patamar que tinha em 2006. A agência ressaltou, na justificativa para a queda, que o Brasil continua enfrentando um ambiente político muito desafiador. “A baixa popularidade e o processo de impeachment da presidente, a expansão do alcance das investigações de corrupção da Lava Jato e os protestos nas ruas contaminaram o ambiente político”, disse à agência.

Quem fica no lugar de Cunha?

Com o afastamento de Eduardo Cunha, começam as articulações em torno do que acontecerá com a presidência da Câmara. A princípio, o vice-presidente da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP), assumiu a vaga, mas a sua permanência no cargo é incerta.

Os principais partidos de oposição (PSDB, DEM, PPS e PSB) divulgaram nota exigindo novas eleições, apesar de o entendimento da área técnica da Casa defender que o afastamento não gera a chamada “vacância do cargo”, necessária para a realização de um novo pleito.

Workshop online gratuito recomendadoFinanças Pessoais e Empreendedorismo

Alexandre de Moraes no Ministério da Justiça

O secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, Alexandre de Moraes, deverá ser escolhido pelo vice-presidente Michel Temer para ocupar o Ministério da Justiça, caso o senado confirme o afastamento da presidente Dilma Rousseff da presidência. Moraes era cotado para comandar a Advocacia-Geral da União (AGU), mas a tendência é que Temer o desloque para a Justiça.

Recordes de saque na poupança

O volume de recursos que os investidores sacaram da caderneta de poupança em abril, já descontadas as aplicações, foi de R$ 8,246 bilhões. Segundo dados do Banco Central, a retirada é recorde para o mês e o maior saque em 21 anos de registros.

Mercado financeiro

O mercado financeiro ainda reflete as incertezas políticas após o afastamento do presidente da Câmara Eduardo Cunha. Se sob o ponto de vista ético, Cunha representava um enorme estorvo para o início de um novo Brasil, Cunha representava para o provável governo Temer a garantia de aprovação de projetos tidos como polêmicos.

O Ibovespa, principal benchmark da Bolsa de Valores de São Paulo, operava às 11h37 em alta de +0,67% com 52.019 pontos. Já ó dólar, caía -0,32% negociado por R$ 3,53.

Redação Dinheirama
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários