Home Economia e Política FMI e Banco Mundial se reúnem em meio a pressões de China e juros para economias emergentes

FMI e Banco Mundial se reúnem em meio a pressões de China e juros para economias emergentes

O Banco Mundial reduziu sua previsão de crescimento da China em 2024 de 4,8% para 4,4%

por Reuters
0 comentário
(Imagem: Reprodução/REUTERS/Abdelhak Balhaki)

As economias emergentes estão enfrentando problemas de todos os lados, com a recente venda de Treasuries e a desaceleração da economia da China acrescentando camadas de incerteza, enquanto o Federal Reserve pode não ter chegado ao fim de seu ciclo de aumento dos juros.

Os esforços de reestruturação da dívida para países inadimplentes podem ter avanços antes do fim do ano, à medida que as discussões continuam, enquanto as finanças de países como o Paquistão e o Egito também estarão sob escrutínio quando autoridades e gestores de ativos se reunirem para as reuniões anuais do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional (FMI) no Marrocos, na próxima semana.

Abaixo estão os principais temas dos mercados emergentes a serem acompanhados:

1. Desaceleração da China

O investimento da China em infraestrutura e imóveis alimentado por dívidas atingiu seu pico e as exportações estão desacelerando em linha com a economia global.

Como a desaceleração da economia de 13 trilhões de dólares afetará outros mercados emergentes ainda é uma questão sem resposta para os investidores.

A demanda por commodities será afetada, já que a segunda maior economia do mundo gasta menos em bens e serviços. O Banco Mundial reduziu sua previsão de crescimento da China em 2024 de 4,8% para 4,4%.

2. Financiamento da Ucrânia

A Ucrânia precisa decidir o que fazer com seus 20 bilhões de dólares em títulos internacionais pendentes, uma vez que o congelamento de pagamentos vai expirar em agosto.

Enquanto isso, o tamanho e a forma da ajuda internacional para a Ucrânia em 2024 não estão claros, e um projeto de lei de gastos no Congresso norte-americano que não incluiu ajuda para Kiev tem aumentando a incerteza.

3. Reformulação da Dívida

Espera-se que acordos de dívida para países inadimplentes progridam no Marrocos, já que as reuniões presenciais entre credores e autoridades governamentais podem gerar avanços.

A Zâmbia precisa chegar a um acordo formal com credores oficiais, incluindo o Clube de Paris e a China. O Sri Lanka está em negociações com o FMI sobre a primeira revisão de um programa de 2,9 bilhões de dólares. Gana está negociando uma reformulação da dívida com credores bilaterais e privados.

4. Os Próximos Dominós

Argentina, Paquistão e Quênia estão no topo da lista de países que podem enfrentar um calote da dívida soberana, de acordo com a pesquisa de setembro do JPMorgan com investidores.

As reservas da economia argentina estão negativas e o país precisa pagar um empréstimo recorde de 44 bilhões de dólares do FMI, com uma eleição presidencial iminente em 22 de outubro.

O Fundo concedeu ao Paquistão um empréstimo ponte que deve ajudar o país até as eleições gerais de janeiro.

Os pagamentos da dívida externa das economias emergentes de alto rendimento totalizarão 30 bilhões de dólares em 2024. Grande parte do foco está no título de 2 bilhões de dólares do Quênia que vence em junho.

5. Momento da Turquia

Ancara ainda tem 2,5 bilhões de dólares reservados para emissões neste ano e, portanto, precisará recorrer aos mercados em breve.

O ministro das Finanças, Mehmet Simsek, reuniu-se com investidores em Nova York, Washington e Londres nas últimas semanas, e se encontrará com alguns dos maiores gestores de ativos no Marrocos para divulgar a forte reviravolta de Ancara em direção a uma economia ortodoxa. Isso inclui 2.150 pontos-base de aumentos nos juros desde junho para combater a inflação, que está em 61,5%.

As eleições locais em março do próximo ano são o próximo grande evento político, depois que o presidente Tayyip Erdogan garantiu outro mandato em maio.

6. Desenvolvimento de Reformas

O Banco Mundial, o FMI e outros bancos multilaterais de desenvolvimento estão sob pressão para aumentar os empréstimos aos países mais pobres a fim de financiar o desenvolvimento e combater as mudanças climáticas.

A China e outras grandes economias emergentes há muito tempo exigem uma maior participação na arquitetura financeira global, que ainda é dominada pelos parâmetros estabelecidos pela reunião de Bretton Woods de 1944, onde o FMI e o Banco Mundial foram criados.

O bloco do Brics de países em desenvolvimento adicionou seis novos membros em sua cúpula anual em agosto, com o objetivo de obter maior influência nas finanças internacionais.

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Mail Dinheirama

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.