Home Economia e Política A hora de manter o foco nos mercados de risco

A hora de manter o foco nos mercados de risco

por Alvaro Bandeira
0 comentário

Quem nos acompanha com regularidade vai se lembrar que mantemos otimismo com o desempenho dos mercados de risco faz algum tempo, praticamente desde junho e quando o Ibovespa estava na casa dos 60.000 pontos.

Isso coincide com a melhora de diversos indicadores de conjuntura que já mostram recuperação pelos últimos quatro ou cinco meses. Com relação à inflação o quadro foi ainda melhor, em queda desde mais de 10%, até chegar na projeção de 12 meses em 2,5%.

Curiosamente será a primeira vez em muitos anos que o Bacen (Banco Central) terá que mandar carta para o ministério da Fazenda justificando inflação menor que a meta projetada. Nos últimos anos, o Bacen teve que explicar estouro da meta por diferentes razões, mas a principal foi pela inação com políticas econômicas erradas do governo Dilma.

A recuperação econômica Global

Isso posto e considerando também a recuperação econômica global, os mercados de risco melhoraram desempenho, ao ponto de diferentes bolsas mostrarem forte expansão. Nos EUA os principais índices (Dow Jones, Nasdaq e S&P) estão batendo recordes históricos quase que diariamente.

Em outras bolsas da Ásia e Europa temos patamares de índices que não ocorriam por alguns anos. Agora mesmo a bolsa de Tóquio cravou seu melhor momento desde 2015.

Com taxas de juros muito baixas e em vários casos negativas, já projetávamos movimento de migração de recursos da renda fixa para a variável praticamente desde o primeiro trimestre do ano, mas só ficamos mais otimistas quando a economia começou a demonstrar sinais mais consistentes.

As reformas são fundamentais

Agora esse quadro ficou completamente delineado, mas exige que o país continue a perseguir reformas estruturais, especialmente a da Previdência e Tributária. Somente assim conseguiremos manter acessa a chama de mercado captais fortalecido e ajudando no processo de capitalização de empresas.

A Anbima divulgou recentemente que o volume de emissão realizada por empresas brasileiras até o mês de setembro somou R$ 176,3 bilhões, com aumento de 32% sobre igual período do ano anterior. As emissões de ações nos nove meses de 2017 alcançam R$ 86, 3 bilhões e nesse mês de outubro tivemos mais duas operações (Eneva e Rumo Logística). O melhor de tudo é que essas operações estão vindo mesmo para mercado, com os investidores institucionais subscrevendo 65,7% do total.

Debêntures, oportunidades para o investidor

Pois bem, daqui para o próximo ano esse movimento tende a ser ampliado, principalmente quando consideradas as debêntures de infraestrutura que não possuem tributação sobre os ganhos auferidos, que os investidores tanto gostam e que produzem bons retornos para aplicações de menor risco.

Também citamos que a captação por fundos de investimento até setembro ficou em R$ 221 bilhões, contra R$ 83 bilhões em igual período de 2016 (+166%), sendo que somente no terceiro trimestre foram captados R$ 90,1 bilhões.

Tudo isso é fluxo carreado para o mercado e que vai pressionar o sistema de precificação de ativos. Como ainda não temos indústria de IPOs e franca atividade, os mercados sobem e recordes são superados.

2018 um ano onde as eleições estarão em destaque

No entanto, haverá um momento em que os fluxos para mercados de risco e lançamentos ficará mais equilibrado, e aí sim será fundamental que a economia esteve funcionando com maior desenvoltura para dar sustentabilidade para patamares mais elevados de preços.

É por isso que repetimos que é fundamental perseguir reformas de todo ordem, mesmo considerando que o ano de 2018 será complicado e muito afetado por eleições gerais. Além das reformas tão necessárias será importante irmos conhecendo os candidatos que disputarão eventual segundo turno e qual o comprometimento deles com a continuidade de reformas mais profundas e rápidas.

Nossa torcida é para que tudo se desenvolva sem grandes estresses. Mas enquanto isso nossos amigos podem encontrar boas informações e orientações em nosso site (www.modalmais.com.br) e com nossos profissionais.

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.