Vitor comenta: “Navarro, guardei dinheiro na poupança durante vários anos de trabalho como empregado. Aprendi muito sobre investimentos no Dinheirama e fui experimentando outros produtos como o Tesouro Direto e continuei até chegar na bolsa de valores. Estudei o assunto e decidi usar 50% de minhas economias para operar na bolsa com o objetivo de acelerar o crescimento do meu patrimônio. No entanto, errei a mão numa operação com derivativos e perdi praticamente todo este valor. Considero que eu ‘quebrei’ na bolsa, pois é como se eu tivesse aberto um negócio que não deu certo. Isso foi um enorme choque para mim (aconteceu há 2 meses, mas ainda não consegui ‘digerir’). Estou muito decepcionado comigo mesmo, me sentindo um fracassado e com muito medo de investir na bolsa novamente.”

A maioria das pessoas não está preparada para lidar com o fracasso. Aliás, essa é uma palavra pouco usada em nosso vocabulário diário, devido ao “peso” que ela tem para muitos. Chega até a ser considerada um xingamento por alguns. Faço um convite: vamos dar um outro sentido para o fracasso?

O que você sente em relação ao fracasso?

Todos, de uma forma ou de outra, experimentam momentos de derrota ou de expectativas frustradas na vida. A maneira como você lida com isso é que fará toda a diferença.

Enquanto uns sofrem demasiadamente, apresentando comportamentos de resistência, indignação e se fazendo de vítima em relação à derrota, outros internalizam melhor o ocorrido e buscam refletir em detalhes sobre o que aconteceu.

Repare que a dor existe para todos, mas o ponto de vista muda. Enquanto alguns ficam paralisados, chocados, amedrontados, procurando colocar a culpa nas outras pessoas ou nas circunstâncias, outros fazem uma “viagem para dentro de si” para analisar suas emoções e o seu racional em busca de respostas.

Este último grupo de pessoas é (infelizmente) bem menor que o primeiro, mas (felizmente) são eles os responsáveis pela maioria dos empreendimentos bem-sucedidos que conhecemos.

Leitura recomendada: Você se sente um fracasso? Ótimo!

Aprendendo com o fracasso

Conheço muitas pessoas que se consideram fracassadas, mas a verdade é que elas nunca fracassaram de verdade. O que acontece é que elas acreditam que suas derrotas momentâneas são fracassos definitivos.

A sabedoria está em conseguir enxergar a lição por trás dessas derrotas temporárias. Este é um aprendizado silencioso e sutil, e apenas algumas pessoas estão preparadas para entender. Acredite: algumas lições da vida só serão aprendidas quando você experimentar esses momentos de derrota!

O meu convite para você é que reflita com humildade sobre os acontecimentos e procure encontrar o que está errado. Você teve um plano, começou a executá-lo, mas algo deu errado. Isso não significa que seu objetivo com tudo isso é um fracasso, mas significa que é necessário você corrigir alguma coisa no seu planejamento.

No caso da bolsa de valores, talvez você não tenha estudado o suficiente sobre o funcionamento dos derivativos, seus riscos (aliás, os mais altos dentro da renda variável), suas estratégias e, principalmente, a quantidade de dinheiro a ser investido (que precisa ser proporcional à sua aceitação de perdas, caso tudo dê errado).

O fracasso definitivo não existe

O que precisa ficar claro é que o fracasso definitivo não existe. O que existe são pessoas que desistiram de continuar lutando pelos seus objetivos de vida e que confundem isso com fracasso.

Veja esta definição: fracasso refere-se ao estado ou condição de não atingir um objetivo desejado ou pretendido. Se é assim, então seja persistente! Se não foi dessa vez, tente de novo, continue buscando seus objetivos, mas não sem avaliar tudo o que ocorreu, buscando aprendizado e melhorias.

Leitura recomendada: O sucesso tem perseverança, motivação, disciplina e muitos fracassos

Conclusão

O que fortalece o ser humano e o prepara para suportar desafios maiores são justamente as lutas e os conflitos que ele experimenta e administra ao longo da vida.

O conjunto dessas lutas, se vistas através de um correto ponto de vista, contribui (e muito) para o nosso crescimento. Ao longo desse processo nos tornamos pessoas mais empáticas, seguras de nossas decisões, tolerantes com os outros e conosco mesmos, e mais perseverantes!

Foto “learn from failure”, Shutterstock.

Conrado Navarro
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários