Franquias: as melhores e piores setores para investirAs franquias são excelentes opções de investimento por representarem marcas mais sólidos e negócios seguros, que já deram certo em condições específicas. No entanto, apostar em franquias não é garantia de sucesso. Você pode optar por franquias baratas para reduzir o risco do investimento e também escolher a área mais “aquecida” do momento pode trazer ainda mais vantagens.

No ano passado, o faturamento total do setor de franquias atingiu R$ 103 bilhões, alcançando um crescimento de 16,2% em relação a 2011, segundo a ABF (Associação Brasileira de Franchising). O número de franquias saltou de 2.031 marcas para 2.426 no mesmo período, anotando um crescimento de 19,4%.

A área que mais cresceu em faturamento, com aumento de 97,8%, foi Hotelaria e Turismo. Em seguida, Limpeza e Conservação, com 44,5%, e Informática e Eletrônicos, com 32,5%.

Por outro lado, os setores com menor desempenho foram Fotos, Gráficas e Sinalização, com expansão de apenas 1,6%; Negócios, Serviços e Outros Varejos (que inclui postos de gasolina, supermercados, lojas de conveniência, transporte e logística, serviços financeiros, livrarias e papelarias, pet shops e vendas por catálogos) cresceu 2,6%; e Educação e Treinamento, 10,3%.

O crescimento das redes de franquias proporcionou um aumento de sua participação no PIB (Produto Interno Bruto), passando de 2,1% em 2011 para 2,3% em 2012. A evolução pode parecer pequena, mas o número de empregos gerados aumentou 12,3% em relação ao período anterior.

Quanto ao número de unidades ou pontos, o segmento se expandiu de 93.098 para 104.543. Isso se explica, de acordo com a pesquisa, pela desaceleração no aumento dos aluguéis de imóveis comerciais.

Os números revelam a maturidade do setor de franchising, como argumenta Cristina Franco, presidente da ABF. “Crescer acima de 10% a 15% todos os anos, há quase uma década, revela a solidez adquirida pelo segmento”, diz.

Como o consumidor influencia o crescimento dos segmentos

Segundo Ricardo Camargo, diretor-executivo da ABF, o desempenho inferior do segmento de Fotos, Gráficas e Sinalização é considerado normal, pois há uma mudança no comportamento do consumidor neste ramo. O novo comportamento do consumidor pode ser facilmente notado, afinal com a popularização de smartphones está cada vez mais rara a revelação de fotos.

“As pessoas estão deixando de revelar e imprimir suas fotos e imagens fora de casa, impactando diretamente no modelo do serviço. Certamente, haverá uma migração, uma transformação neste formato”, declara Camargo.

No caso da maior variação de crescimento, em Hotelaria e Turismo, este pode ser justificado por pelo menos dois motivos. Primeiramente, o mercado de hotelaria e turismo está aquecido devido à Copa do Mundo (2014) e Olimpíadas (2016).

Em seguida, houve também o ingresso de novos participantes no mercado, como a CVC, que adotou o formato de franquia, trazendo consigo cerca de 700 novas unidades e um faturamento considerável, segundo Camargo.

Já o crescimento do segmento de Limpeza e Conservação é explicado pela consolidação da mulher no mercado de trabalho. Cada vez mais mulheres estão trabalhando fora de casa e, consequentemente, tendo menos tempo para tarefas caseiras. Como também houve o aumento salarial das empregadas domésticas, muitas pessoas optaram por serviços de lavanderia à contratação de empregadas.

Onde investir?

O crescimento dos segmentos apresentados no último ano não garantem mais expansão e sucesso futuro, é claro. No entanto, cabe ao investidor coletar o máximo de informações possíveis para tomar decisões racionais e favoráveis para atingir seu objetivo.

Neste levantamento feito pela ABF é de notável destaque o desempenho da área de Hotelaria e Turismo, afinal o faturamento do segmento quase dobrou de 2011 para 2012. Somado ao crescimento está o “aquecimento” do setor, graças a vinda dos dois maiores eventos esportivos para o país nos próximos anos, o que faz com que franquias relacionadas à Hotelaria e Turismo se tornem bastante atraentes.

Esporte, Saúde, Beleza e Lazer também merece sua devida nota. A área com maior faturamento teve uma expansão de R$ 3,2 bilhões (22%), número superior ao faturamento total de outros segmentos.

Fonte: UOL Economia. Foto de freedigitalphotos.net.

Willian Binder
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.

Comentários