Home Investimentos Fundamentalistas evitam Ofertas P√ļblicas Iniciais (IPOs)

Fundamentalistas evitam Ofertas P√ļblicas Iniciais (IPOs)

por Pablo Santos
3 min leitura

Fundamentalistas evitam Ofertas P√ļblicas Iniciais (IPOs)A maioria dos investidores j√° conhece as Ofertas P√ļblicas Iniciais, IPO em ingl√™s. √Č o momento em que uma empresa estreia na bolsa de valores, oferecendo suas a√ß√Ķes pela primeira vez. Acompanhados do debute est√£o os rumores, hist√≥rias e ‚Äúdicas quentes‚ÄĚ sobre v√°rias IPOs ‚Äúque prometem‚ÄĚ. Tamb√©m √© comum que os investidores[bb] recebam o aviso de suas corretoras para fazer a reserva das a√ß√Ķes o quanto antes.

Em √©poca de muitas movimenta√ß√Ķes de IPOs, o mercado ferve. A maioria das pessoas sente vontade de arriscar em mais uma quentinha. Entretanto, os analistas fundamentalistas cl√°ssicos rejeitam esse tipo de investimento por um motivo mais do que claro: n√£o est√£o dispon√≠veis informa√ß√Ķes suficientes sobre a empresa para avaliar seus fundamentos.

Se a base do fundamentalismo √© a an√°lise das informa√ß√Ķes financeiras e administrativas da empresa, fazer isso tudo n√£o ser√° poss√≠vel com uma empresa que acaba de abrir o capital – e, portanto, s√≥ disponibilizar√° seus primeiros resultados publicamente no pr√≥ximo trimestre. √Č sabido que somente as empresas com o capital aberto s√£o obrigadas, por lei, a publicarem os seus balan√ßos. Assim, somente depois de alguns meses ou anos se tornar√° interessante analisar os n√ļmeros destas empresas novatas na bolsa.

Cabe ressaltar que não estou levando em conta a especulação que é possível fazer nessas ofertas, assunto para outros tipos de investidores. Por maior que seja o sucesso da empresa, o nome ou a marca, sem analisar as finanças do negócio o investimento[bb] é considerado um pouco mais arriscado.

Uma IPO recente nos serve de exemplo é a da BM&F, que logo se tornou BM&F Bovespa. Depois de estreias como as da Bovespa (alta de 50% no primeiro dia) e Redecard (alta de 20% no primeiro dia), os especuladores se animaram e o papel da BM&F, que teve preço inicial de R$ 25,00, encerrou o primeiro dia com alta de 22%. Para quem vendeu no próprio dia da estréia, um bom negócio. Cinco meses depois, em plena crise, os papéis caíram 50%.

Apesar de ser um investimento seguro Рafinal, é o papel da própria Bolsa que está em jogo -, o pequeno investidor nunca vai realmente saber se ele está sofrendo especulação e nem poderá adivinhar o que virá pelo futuro. O ativo se recuperou junto com o mercado, mas os leitores podem verificar que nunca voltou a atingir a faixa dos R$25,00 novamente*, pois os analistas entraram em ação e puderam verificar o verdadeiro valor do papel. Mas, somente depois de um tempo a partir da oferta inicial, com os resultados financeiros em mãos.

* Os leitores mais curiosos que procurarem o histórico de cotação do ativo BVMF3 irão notar que a cotação inicial de agosto de 2008 fica na faixa dos R$ 11,00. Lembro que, no período, houve a fusão da BM&F e da Bovespa e o papel BVMF3 foi resultado deste evento.

Crédito da foto para freedigitalphotos.net.

O Dinheirama √© o melhor portal de conte√ļdo para voc√™ que precisa aprender finan√ßas, mas nunca teve facilidade com os n√ļmeros.

© 2024 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informa√ß√£o e atesta a apura√ß√£o de todo o conte√ļdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que n√£o faz qualquer tipo de recomenda√ß√£o de investimento, n√£o se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.