O que é melhor? Investir por conta própria, montando sua carteira de investimentos, ou comprar cotas de um fundo de investimento?

Depende. As duas coisas são boas, desde que você tenha conhecimento adequado para não terminar perdendo dinheiro. Mas tem uma coisa que é importante: você tem tempo para administrar seu dinheiro por conta própria?

Muitas pessoas passam a maior parte do dia trabalhando em outras atividades para gerar renda. Com isso não conseguem dedicar tempo para cuidar diariamente dos investimentos.

Para esse tipo de pessoa, os fundos de investimento são interessantes. Há gestores capacitados e que são pagos para analisar o dia todo quais são os melhores produtos para aplicar o dinheiro dos clientes (ou cotistas).

Mas há alguns cuidados que precisamos tomar ao investir através dos fundos. Estes são os principais:

  • Nem todos os gestores de fundos são bons profissionais, e podem errar na administração dos recursos financeiros.
  • Nem todas os fundos cobram taxas justas. Aliás, boa parte deles cobram taxas tão abusivas que terminam por prejudicar consideravelmente a rentabilidade dos cotistas.

Cuidado com as taxas de administração dos fundos

Os bancos, por exemplo, são os campeões na cobrança de taxas elevadas. Considerando os maiores bancos de nosso país, teremos um verdadeiro esquadrão bancário das taxas abusivas.

Fizemos alguns cálculos e chegamos a um valor impressionante! Se somarmos o excesso das taxas cobradas por eles, chegamos a um valor em Reais de cerca de 2,8 bilhões! Isso mesmo. Clique aqui e você irá entender como chegamos nesses números.

O fato é que como investidores inteligentes, precisamos escapar destas armadilhas.

Devemos colocar nosso dinheiro nos poucos, mas ótimos fundos de investimento. Eles cobram uma taxa de administração justa, e por terem uma excelente gestão em todos os aspectos, terminam por contratar os melhores profissionais de investimento do mercado.

Estamos falando de fundos como o Verde (do Luis Stuhlberger), do JPG, do IP, e outros assim. O que eles tem em comum além dos quesitos acima? São todos fundos independentes, ou seja, não estão atrelados aos bancos.

Como escolher um bom fundo de investimentos?

Hoje temos 534 gestoras independentes no mercado brasileiro. O desafio é que mesmo entre estes, são poucos os fundos que realmente entregam rentabilidades excelentes para seus clientes.

Então vem outro desafio: como saber qual dessas gestoras independentes devo colocar o meu dinheiro?

Agora vem a melhor parte. Temos uma solução para você, pois temos estudado todas estas gestoras, e podemos afirmar que até agora já encontramos 27 que apresentam bons resultados para seus clientes..

Queremos explicar para você como você poderá usufruir dos serviços delas, mas para isso, precisaremos ainda de um pouco mais do seu tempo.

Como a causa é muito boa, convidamos você para clicar aqui e continuaremos essa conversa numa página exclusiva onde você vai entender tudo isso em detalhes.

Nota: Esta coluna é mantida pela Empiricus, que contribui para que os leitores do Dinheirama possam ter acesso a conteúdo gratuito de qualidade.

Empiricus Research
Aviso: Os textos assinados e publicados no Dinheirama.com não representam necessariamente a opinião editorial do Blog. Asseguramos a qualquer pessoa, empresa ou associação que se sentir atacada o direito de utilizar o mesmo espaço para sua defesa. Também ressaltamos que toda e qualquer informação ou análise contida neste blog não se constitui em solicitação ou oferta de seu autores para compra ou venda de quaisquer títulos ou ativos financeiros, para realização de operações nos mercados de valores mobiliários, ou para a aplicação em quaisquer outros instrumentos e produtos financeiros. Através das informações, dos materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog, os autores não estão prestando recomendações quanto à sua rentabilidade, liquidez, adequação ou risco. As informações, os materiais técnicos e demais conteúdos existentes neste blog têm propósito exclusivamente informativo, não consistindo em recomendações financeiras, legais, fiscais, contábeis ou de qualquer outra natureza.