Home Economia e Política G20 triplica capacidade de energia renovável sem metas climáticas fixas

G20 triplica capacidade de energia renovável sem metas climáticas fixas

A declaração adotada pelos líderes do G20 no primeiro dia da cúpula de dois dias em Nova Délhi não mencionou o corte das emissões de gases de efeito estufa

por Reuters
0 comentário
(Imagem: Reprodução/Freepik/@freepik)

Os líderes do G20 concordaram neste sábado em buscar triplicar a capacidade de energia renovável em todo o mundo até 2030 e aceitaram a necessidade de reduzir gradualmente a geração a carvão, mas não chegaram a estabelecer metas climáticas importantes.

As 20 principais economias do mundo têm tido divergências quanto aos compromissos de reduzir o uso de combustíveis fósseis, cortar as emissões de gases de efeito estufa e aumentar as metas de energia renovável.

Um desses pontos de atrito foi a proposta dos países ocidentais de triplicar a capacidade de energia renovável até 2030 e reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 60% até 2035, o que teve a oposição da Rússia, China, Arábia Saudita e Índia durante as reuniões em nível de sherpa, disseram três autoridades à Reuters.

A declaração adotada pelos líderes do G20 no primeiro dia da cúpula de dois dias em Nova Délhi não mencionou o corte das emissões de gases de efeito estufa.

A declaração afirma que os países membros “buscarão e incentivarão esforços para triplicar a capacidade de energia renovável em todo o mundo (…) de acordo com as circunstâncias nacionais até 2030”.

Os países membros do G20 juntos são responsáveis por mais de 80% das emissões globais e um esforço cumulativo do grupo para descarbonizar é crucial na luta global contra as mudanças climáticas.

Brasil, Chile, México, Colômbia e Argentina receberam projetos (Imagem: Miguel Ãngelo/CNI)
Um desses pontos de atrito foi a proposta dos países ocidentais de triplicar a capacidade de energia renovável até 2030
(Imagem: Miguel Ãngelo/CNI)

As negociações sobre o clima na cúpula do bloco serão observadas atentamente pelo mundo antes da COP28, cúpula climática da ONU, nos Emirados Árabes Unidos no final deste ano.

O G20 concordou que as “circunstâncias nacionais” serão levadas em conta na redução gradual da “energia a carvão ininterrupta”, mas não mencionou a redução do uso de petróleo bruto, sugerindo que países como a Arábia Saudita, rica em petróleo, prevaleceram durante as negociações.

Com relação à redução gradual dos combustíveis fósseis, a declaração afirma que os líderes “reconhecem a importância” de acelerar as medidas que ajudarão na transição para sistemas de energia de baixa emissão, “incluindo a aceleração dos esforços para a redução gradual da energia a carvão não consumida, de acordo com as circunstâncias nacionais”.

O bloco não conseguiu chegar a um consenso durante as reuniões ministeriais anteriores sobre meio ambiente e energia. A declaração também não se compromete a atingir os compromissos de zero emissões líquidas mais rapidamente do que em 2050, algo que as nações do G7 estavam pressionando.

Em vez disso, a declaração diz: “Reiteramos nosso compromisso de atingir emissões líquidas zero de gases de efeito estufa/neutralidade de carbono até meados do século, levando em conta os últimos desenvolvimentos científicos e de acordo com as diferentes circunstâncias nacionais”.

Também observou a necessidade de se providenciar financiamento sustentável e de baixo custo aos países em desenvolvimento para apoiar a transição para emissões mais baixas.

Veja o documento abaixo:

Sobre Nós

O Dinheirama é o melhor portal de conteúdo para você que precisa aprender finanças, mas nunca teve facilidade com os números.  Saiba Mais

Mail Dinheirama

Faça parte da nossa rede “O Melhor do Dinheirama”

Redes Sociais

© 2023 Dinheirama. Todos os direitos reservados.

O Dinheirama preza a qualidade da informação e atesta a apuração de todo o conteúdo produzido por sua equipe, ressaltando, no entanto, que não faz qualquer tipo de recomendação de investimento, não se responsabilizando por perdas, danos (diretos, indiretos e incidentais), custos e lucros cessantes.

O portal www.dinheirama.com é de propriedade do Grupo Primo.